Apegue-se ao dinheiro e encontre... a destruição!

...há de ser por testemunho contra vós mesmos e há de devorar, como fogo, as vossas carnes. Tesouros acumulastes nos últimos dias. - Tiago 5:3


O nosso mundo é movido a dinheiro. Trabalhar e se sustentar é algo honroso e faz parte das atribuições da vida adulta. A sabedoria nos ensina que temos que ser previdentes quanto ao futuro, investindo na aposentadoria e sempre que puder guardarmos uma reserva para alguma emergência ou compra de algum bem de maior valor e utilidade.

Todavia, quando nos apegamos excessivamente ao dinheiro a ponto de acumulá-lo como um fim em si mesmo, encontraremos sérios problemas. Para começar, a própria sociedade não costuma ver com bons olhos quem acumula muito dinheiro. 

Não é à toa que alguns dos ricos de nosso tempo, preocupados com o marketing pessoal ou quem sabe o desconto no Imposto de Renda, alardeiam publicamente suas contribuições de caridade. É uma forma de passarem uma imagem de pessoas generosas e altruístas.

É claro que há exceções. Há pessoas ricas que são generosas, investem em obras sociais com a motivação correta, ajudam missionários e ajudam a propagação do Reino de Deus. 

Todavia, é necessário vigilância diante da advertência bíblica, pois o acúmulo de riquezas e vida extravagante testemunha contra a própria pessoa diante de um mundo envolto em miséria e tantas necessidades. É sinal de que a pessoa não tem aplicado o que tem recebido para ajudar o próximo, tão somente, acumula por acumular.

Nesse caso específico, um princípio rege a vida da pessoa que ama o dinheiro: "Quanto mais você tem, mais você quer ter" (veja Eclesiastes 5.10). Em outras palavras, quem vive para enriquecer, nunca está satisfeito com o que possui. Sempre está se esforçando para ter mais. 

Esta maneira insaciável de se viver é destruidora. Vai destruir o tempo que deveria ser dedicado à esposa, aos filhos, aos amigos e a Deus. Vai destruir a paz, pela ansiedade de não perder o que já ganhou e de encontrar outras formas de ganhar mais. Vai destruir a saúde, por causa do excesso de trabalho e de preocupações. E, por fim, vai destruir a possibilidade de um futuro eterno com Deus, pois quem passou a vida apenas investindo no seu reino pessoal e terreno não deseja pertencer ao Reino de Deus.


Para pensar 
É importante sermos previdentes e termos reserva financeira. Todavia, tomemos cuidado com o apego ao dinheiro. Ele pode destruir várias áreas de nossa vida. Faça uma análise de sua vida neste momento, responda sinceramente: eu vivo satisfeito com o que tenho? Ou tenho vivido com uma sede insaciável por acúmulo de dinheiro?

--------------------------------------------------
Andrei de Almeida Barros é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. Em 1998 trabalhou como missionário em Portugal. Formou-se em teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 2003 e ordenado pastor em 2004.
É fundador e editor do site www.semeandovida.org
Tecnologia do Blogger.