Apegue-se ao dinheiro e encontre... a degradação pessoal!


Tiago 5:4-6 - "4 - Eis que o salário dos trabalhadores que ceifaram os vossos campos e que por vós foi retido com fraude está clamando; e os clamores dos ceifeiros penetraram até aos ouvidos do Senhor dos Exércitos. 5 - Tendes vivido regaladamente sobre a terra; tendes vivido nos prazeres; tendes engordado o vosso coração, em dia de matança;  6 - tendes condenado e matado o justo, sem que ele vos faça resistência"

Lembre-se do último filme de ação que você assistiu. Tiros, perseguições, sequestros, correria... mas repare que há sempre algo por traz de tudo isso: o dinheiro. Nós olhamos e pensamos que tais atitudes motivadas pelo dinheiro só acontecem em filmes. Ledo engano. Tem acontecido diante de nossos olhos. 

E o motivo pelo qual um monte de papel ou coisas inanimadas materiais valerem mais que a vida humana em si é o processo de degradação pessoal e moral que se encontra quem se apega ao dinheiro. A pessoa vai perdendo aos poucos a sensibilidade e escrúpulos em relação à vida do seu próximo. Para ela, é legítimo o uso de qualquer meio quer permita enriquecer, mesmo que isso gere injustiça e faça mal aos outros (4). 


Pense em um empresário. Ele tem sob si outras pessoas que trabalham e dependem dele para receber o salário. O problema é que um patrão apegado ao dinheiro tem uma prioridade bem definida: enriquecer mais e mais. O recurso humano que ele dispor será usado para isso, nem que resulte em exploração, salário de fome e outras injustiças para com seus funcionários. 

Já outras pessoas encontraram a degradação pessoal no próprio estilo de vida que humilha aquele tem menos (5). Não que seja errado você desfrutar daquilo que conquistou, afinal, mesmo o pobre almeja uma vida mais confortável em todos os aspectos. Mas há pessoas que fazem questão de ostentar e humilhar aqueles que pouco possuem. 

Não conseguem conversar outro assunto que não seja as férias na Europa, o dinheiro que recebe por mês, as propriedades que acumula. Você já deve ter conhecido alguém assim. Viver dessa maneira apenas revela a insensibilidade com aquelas pessoas não possuem nada. 

Por fim, a degradação pessoal também se expressa na destruição do próximo (6). Um patrão que faz de tudo para aplicar a menor faixa salarial, um político que desvia dinheiro público, ou o antigo caso daquela família de advogados que recebia três ou mais aposentadorias que eram destinadas às pessoas pobres – eles estão na verdade querendo reter mais do que precisam e, assim, impedido que os outros tenham. 

Esse tipo de opressão social é uma forma de assassinato, diz o texto bíblico. Afinal, quantos não há por aí fazendo fortunas, fruto da exploração de cada gota de suor de pessoas pobres? 

Para pensar 
Lembre-se de que Deus não é contra você e eu possuirmos patrimônio e prosperarmos. O dinheiro em si não é o problema. É uma ferramenta que pode ser usada para abençoar. Mas nós temos que ser os senhores de nosso dinheiro e não ele o nosso senhor.

--------------------------------------------------
Andrei de Almeida Barros é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. Em 1998 trabalhou como missionário em Portugal. Formou-se em teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 2003 e ordenado pastor em 2004.
É fundador e editor do site www.semeandovida.org
Tecnologia do Blogger.