Apegue-se ao dinheiro e encontre... a frustração!


As vossas riquezas estão corruptas, e as vossas roupagens, comidas de traça; o vosso ouro e a vossa prata foram gastos de ferrugens, e a sua ferrugem há de ser por testemunho contra vós mesmos e há de devorar, como fogo, as vossas carnes. Tesouros acumulastes nos últimos dias.
Tiago 5:1-6 

Hoje, mais do que qualquer época na história da humanidade, vivemos o tempo do obsoletismo. As coisas, quando fabricadas, não são feitas para durar. Elas possuem um prazo de uso. Existe até o obsoletismo programado, que tem a intenção de aumentar o consumo. Afinal, em 5 anos, quantos celulares você já trocou? E assim funciona o capitalismo – para algo dar lucro tem que ser ineficiente. Por isso seu carro não rende tanto quanto deveria na estrada. 

Mas mesmo que tudo fosse feito para durar muito, a própria ação do tempo iria colocar um prazo de validade. Roupa guardada muito tempo vira comida de traça. Alimentos, mesmo condicionados na geladeira, vão estragar depois de um tempo. Dinheiro guardado também perde valor. 


Afinal, você se lembra do tempo em que no Brasil R$ 10 era dinheiro? Quando o Real foi lançado, a gente fazia muita coisa com R$ 10. Mas e hoje o que fazemos? 

A infame crise mundial causada pelos Estados Unidos em 2008 provocou uma verdadeira tragédia para muitos empresários. Muita gente ficou pobre do dia para a noite. Empresas que possuíam bilhões viram o dinheiro indo pelo ralo. Naquela altura até a General Motors, a segunda maior montadora automobilística do mundo, abriu falência nos Estados Unidos. 

A verdade é, como ensina Tiago, todas as coisas materiais tem esse caráter passageiro. Por isso não faz sentido acumularmos de maneira louca, alienante e exagerada os bens, pois eles não permanecem. Se fizermos isso vamos apenas nos frustrar. 

Não ame ou se apegue ao dinheiro ou posses. Não tenha o dinheiro como o senhor de sua vida. Ele não dura. Tudo passa. E vai ser frustrante tanto esforço e vitalidade em algo que não dura e não permanece. 

Não te fadigues para seres rico; não apliques nisso a tua inteligência. Porventura fitarás os teus olhos naquilo que não é nada? Pois certamente a riqueza fará para si asas, como a águia que voa pelos céus - Provérbios 23.4,5 

Para pensar 
Trabalhar é necessário, ganhar dinheiro e sustentar família é vital. Mas até que ponto estamos sacrificando nossa família, nossa fé e nossa própria vida por uma busca desenfreada pelo dinheiro?

--------------------------------------------------
Andrei de Almeida Barros é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. Em 1998 trabalhou como missionário em Portugal. Formou-se em teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 2003 e ordenado pastor em 2004. Atualmente cursa Licenciatura em História. É fundador e editor do site www.semeandovida.org
Tecnologia do Blogger.