2º Samuel


Davi coroado
O primeiro livro de Samuel descreve-nos o filho de Jessé em sua rejeição. Encontramos aqui Davi, reinando a princípio sobre Judá durante 7 anos (2 Samuel 1-4), depois sobre todo Israel (33 anos). O trono veio depois da cruz; Davi seguiu antecipadamente o caminho que seria o de Jesus Cristo.

Davi vitorioso
O Senhor conduz o Seu servo de vitória em vitória (2 Samuel 5), dirige-o por um caminho em que, de etapa em etapa, ele tem sempre que aprender (2 Samuel 6:10).

Podemos aproveitar as profundas lições que Davi recebeu; quando o Senhor é consultado, há triunfo; quando Davi age por conta própria, há desastre.

Davi na derrota
O texto sagrado não trata de uma derrota militar, mas de uma queda moral; Davi deixou-se vencer pelo pecado (cap. 11). Assim colheu amargas conseqüências na família (cap. 12:10-11): lágrimas, luto, intrigas, homicídios, revolta declarada (cap. 12-15).

Davi no caminho de Cristo
Páginas bem sombrias! Entretanto, Davi confessou sua falta e reencontrou o seu Deus (2 Samuel 12:13 e Salmos 32 e 51).

Quando foi obrigado a fugir de seu filho Absalão, o Espírito de Cristo esteve nele: percorreu o caminho de sofrimentos que o Senhor Jesus seguiria, por Sua vez, 10 séculos mais tarde.

De novo a claridade do Evangelho ilumina esses capítulos do Velho Testamento e, guardadas as devidas proporções, o Espírito Santo os aplica também a nossa experiência diária na vida cristã. 2 Samuel 15-20 são capítulos movimentados onde pouco a pouco a vitória muda de campo e onde Davi reconquista progressivamente o terreno perdido em Israel, estabelecendo de novo a unidade numa base de justiça e fé.



Davi no limiar da glória
Uma nota de triunfo ilumina o fim do livro; gigantes são derrubados e vitórias são conseguidas, graças ao devotamento dos fiéis soldados de Davi (cap. 21).

O cântico de livramento do cap. 22 faz-nos reencontrar as harmoniosas notas dos Salmos 18 e 144; depois vem o quadro de honra dos valentes homens de Davi (cap. 23). 0 cap. 24 é consagrado a uma experiência profunda que Davi teve no fim de seu reino.

Tendo-se deixado levar pelo orgulho, ele ordenou um recenseamento. O castigo divino não se fez esperar, e Deus o provou, como fizera outrora com Abraão (Gênesis 22).

Ora, há uma estreita analogia entre essas duas narrações: no monte Moriá, onde Abraão ofereceu Isaque em sacrifício, Davi apresentou ao Senhor um holocausto de grande valor.

Lá mesmo onde Abraão recebeu ratificação das promessas de Deus, Davi obteve a confirmação da aliança divina, em virtude da qual seu filho Salomão construirá naquele lugar exato, o templo do Senhor (1 Crônicas 22:1; 2 Crônicas 3:1).

Davi chega ao termo de sua carreira terrestre, (1 Reis 1-2), mas a missão que Deus lhe confiara continuará sob o reinado de Salomão, que Deus elevará ao mais alto grau de glória terrestre (1 Reis 3-11).

Tecnologia do Blogger.