13a - Inocêncio III


2 - INOCÊNCIO III

Inocêncio III realiza o plano de Hildebrando
A ideia de Hildebrando a respeito da supremacia do papado sobre o mundo não teve tão grande realização no seu pontificado, como no do grande Inocêncio III (1198-1216). Sob o seu pontificado a igreja medieval alcançou as culminâncias do poder.

Sua mente clara e poderosa percebeu, na plenitude, o sentido tremendo do ideal de Hildebrando, cujas pretensões inauditas procurou pôr em prática.

"O papa, disse ele, fica entre o homem e Deus; é menos do que Deus, porém mais do que o homem. O papa julga a todos e não é julgado por ninguém".

Destemido, astuto, inflexível, ele realmente alcançou em grande medida o poder com que Hildebrando sonhara.

Inocêncio e os governos da Europa
Inocêncio fez e desfez imperadores, afirmando que as coroas deles lhes eram outorgadas pela vontade do papa. Obrigou o rei Felipe de França e o rei João, da Inglaterra, a prestar-lhe obediência. A causa do conflito com Felipe foi este repudiar a esposa por outra mulher.

E na Inglaterra a luta foi por causa do Arcebispado de Cantuária (Canterbury). A arma de que lançou mão contra esses reis foi o interdito, que consistia na suspensão de todos os serviços religiosos naqueles países.

As igrejas ficavam fechadas. Os sacramentos, considerados universalmente pelo povo, como meios de salvação, não podiam ser ministrados. Os mortos ficavam insepultos.

Levantou-se tal clamor público na França e na Inglaterra que os reis tiveram de se submeter ao papa. João teve mesmo de entregar ao papa os reinos da Inglaterra e da Irlanda, para recebê-los depois como simples feudos que tinha apenas de administrar.

Isto significava que João os reconhecia como propriedade do papa, e que lhe era permitido ficar com essas terras pagando tributos anualmente ao papa, como reconhecimento da soberania do papado.


Inocêncio assenhoreou-se do reino da Sicília e o rei de Aragão recebeu dele a coroa. Em quase toda a Europa fez sentir a sua autoridade e quase sempre obteve pleno êxito; exceto no caso da Inglaterra.

Foi, logo após João submeter-se ao Papa, que os barões aborrecidos com seu governo abominável e opressor o compeliram a assinar a Magna Carta que foi a pedra fundamental da liberdade inglesa. Inocêncio tomou o partido do rei, pois João se mostrara filho obediente da Igreja.

O papa decretou uma bula anulando a Magna Carta e obrigando os barões a se submeterem ao rei. Os barões ficaram surdos ás ordens arrogantes do papa e somente a morte deste o livrou de assistir à própria derrota.

Sob o pontificado de Inocêncio III, o papado governou a Europa ocidental com um domínio indisputável.

Melhor diríamos, a Igreja dominou o mundo pelo seu chefe, o papa. Através do século XIII, a Igreja permaneceu nas cumiadas do seu fastígio e poder. Durante este século o papado, finalmente, venceu o grande rival, o Santo Império Romano.

Entre os papas Gregório IX e Inocêncio IV e o imperador Frederico II, houve uma guerra prolongada, tanto de palavras como de armas, guerra que terminou em 1248 com a derrota total de Frederico.

Dois anos depois, após sua morte, seu filho menor manteve uma sombra de poder por poucos anos, passando-se depois dezenove anos sem qualquer governo.

Ficou, assim, o papado triunfante, governando sem competidores. Ao fim dos dezenove anos, o império reviveu, elegendo um imperador; mas nunca foi tão poderoso como antes da vitória do papa.

Por Robert Hastings Nichols

ÍNDICE

A preparação para o Cristianismo

01 - A contribuição dos Romanos, Gregos e Judeus
02 - Como era o mundo no surgimento do cristianismo

A fundação e expansão da Igreja
03 - Jesus e sua Igreja
04 - A Igreja Apostólica Até o Ano 100

A Igreja antiga (100 - 313) 
05 - O mundo em que a Igreja vivia (100 - 313)
06 - Características da Igreja Antiga (100-313)

A Igreja antiga (313- 590) 
07 - O mundo em que a Igreja vivia (313 - 590)
08 - Características da Igreja Antiga (313-590)

A Igreja no início da Idade Média (590 - 1073) 
09 - O mundo em que a Igreja vivia (590-1073)
10 - Características da Igreja no início da Idade Média 
11 - O cristianismo em luta com o paganismo dentro da Igreja

A Igreja no apogeu da Idade Média (1073 - 1294) 
12 - A Igreja no Ocidente - O papado Medieval - Hildebrando
13a - Inocêncio III
13b - A Igreja Governa o Mundo Ocidental
14 - A guerra da Igreja contra o Islamismo - As cruzadas 
15 - As riquezas da Igreja
16 - A organização da Igreja
17 - A disciplina e a lei da Igreja Romana
18 - O culto da Igreja
19 - O lugar da Igreja na religião
20 - A vida de alguns líderes religiosos: Bernardo, Domingos e Francisco de Assis
21 - O que a Igreja Medieval fez pelo mundo
22 - A igreja Oriental

Decadência e renovação na Igreja Ocidental (1294 - 1517)

23 - Onde a Igreja Medieval falhou
24 - Movimentos de protesto: Cataristas, Valdeneses, Irmãos
25 - A queda do Papado
26 - Revolta dentro da igreja: João Wycliff e João Huss
27 - Tentativas de reforma dentro da Igreja
28 - A Renascença e a inquietude social como preparação para a Reforma

Revolução e reconstrução (1517 - 1648) 
29 - A Reforma Luterana
30 - Como Lutero se tornou reformador
31 - Os primeiros anos da Reforma Luterana
32 - Outros desdobramentos da Reforma Luterana
33 - A Reforma na Suíça - Zuínglio
34 - Calvino - líder da Reforma em Genebra
35 - A Reforma na França
36 - A Reforma nos Países Baixos
37 - A Reforma na Escócia, Alemanha e Hungria

O cristianismo na Europa (1648 - 1800)
43 - A França e a Igreja Católica Romana
44 - A Igreja Católica Romana e a Revolução Francesa
45 - O declínio religioso após a Reforma
46 - O Pietismo
46 - A Igreja Oriental
47 - A Regra Puritana
48 - Restauração
49 - Revolução
50 - Declínio Religioso no começo do século 18
51 - O Reavivamento do Século 18 e seus resultados
52 - Os Pactuantes (Covenanters)
53 - O Século 18 na Escócia
54 - O Presbiterianismo na Irlanda

O Século 19 na Europa
55 - O Catolicismo Romano
56 - O Protestantismo na Alemanha, França, Holanda, Suíça, Escandinávia e Hungria
57 - O Movimento Evangélico na Inglaterra
58 - O Movimento Liberal
59 - O Movimento Anglo-Católico
60 - As Igrejas Livres
61 - As Igrejas na Escócia: despertamento, descontentamento e cisão
62 - As missões e o cristianismo europeu

O Século 20 na Europa
63 - História Política até 1935
64 - O Catolicismo Romano
65 - O Protestantismo no Continente
66 - A Igreja da Inglaterra
67 - As Igrejas Livres 
68 - A Escócia
69 - A Igreja Ortodoxa Oriental
70 - Outros países orientais
71 - O Movimento Ecumênico

O cristianismo na América
72 - As primeiras tentativas
73 - As Treze Colônias
74 - Reconstrução e reavivamento após a Guerra da Independência
75 - O Século 19 até 1830
76 - 1830 - 1861
77 - 1861 - 1890
78 - 1890 - 1929

Tecnologia do Blogger.