63 - História Política até 1935


I. HISTÓRIA POLÍTICA ATÉ 1935

Neste capítulo faremos apenas referências a certas modificações políticas e sociais, resultantes da Primeira Grande Guerra e que afetaram de modo vital a posição do cristianismo. [1]

Durante a Guerra, em Março de 1917, rebentou a Revolução Russa. Derrubada a monarquia, o país caiu nas mãos dos extremistas do Bolchevismo, que era uma ala do partido socialista. 


Logo no início de 1920, a Rússia foi organizada como União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (U.R.S.S.), governada pelo partido comunista, cujo chefe, Lenine, veio a ser o primeiro ditador. Quando este faleceu em 1924, foi sucedido por Stáline.

Desde então a indústria, a agricultura e a educação em geral têm sido dominadas e orientadas segundo o programa e o propósito do Partido que, afinal de contas, exerce um governo absoluto indiscutível sobre todos os aspectos da vida na Rússia, tornando o Estado verdadeiro objeto do culto de todos os seus povos.



Na Alemanha, o regime imperial foi varrido por uma revolução popular, já nos últimos dias da guerra.

Em novembro de 1918, foi proclamada a República alemã que, em 1919, aprovou a chamada constituição de Weimar. A república permaneceu em segurança até 1930. Sobreviveu ao caos econômico depois de 1920 e passou por uma época de prosperidade depois de 1924.

O início do declínio econômico em 1926, deu oportunidade ao Partido Nacional Socialista ou Partido Nazista, dirigido por Adolf Hitler, de assumir a liderança política.

Em 1933, este partido, por meio da propaganda e da violência, assumiu o controle do governo e Hitler tornou-se ditador.

A doutrina nazista sobre o Estado Totalitário foi posta em prática, e, segundo a mesma, o Estado é supremo; a ele todos os cidadãos deviam prestar obediência absoluta, desaparecendo assim a liberdade e a democracia.

Todos os partidos políticos, exceto o nazista, e todas as organizações trabalhistas, exceto a estabelecida pelo Estado, foram abolidos.

Toda oposição foi esmagada por uma perseguição implacável. Foi lançado um grande programa a fim de tornar a Alemanha poderosa com um objetivo em vista: alcançar, mesmo com a guerra, a anexação de novos territórios e o poder político econômico internacional.

Na Itália, a I Grande Guerra foi seguida pela desorganização da indústria e do comércio, queda do câmbio, .desemprego em larga escala, e miséria por toda a parte.

Como resultado de tudo isto, grupos revolucionários provocaram ainda maior confusão. Surgiu, então, um partido que se propunha manter a Ordem e fortalecer o país - o Partido Fascista, do nome fascio, que significa um feixe de varas e um machado, símbolo da antiga autoridade do cônsul romano.

O chefe dinâmico do partido era Benito Mussolini. O partido conseguiu o domínio absoluto do país em virtude da sua organização e pelo uso das armas e da violência. Em 1922, Mussolini levou a efeito a marcha sobre Roma, com um exército fascista; apoderou-se do governo e o rei teve de submeter-se.



Tornou-se, então, Ditador e tratou de solidificar seu poder, até que em 1928 foi eleito um completo Parlamento Fascista no qual só os fascistas tinham o direito de voto. A vida toda do país foi organizada em bases totalitárias, ou seja, sujeição absoluta ao Estado.

Como na Alemanha, o totalitarismo visava à glorificação do país tendo como último objetivo a guerra, a fim de consolidar o poder nacional. Foi assim que a Rússia, a Itália e a Alemanha criaram uma nova religião: o culto ao Estado.

Ao fim da guerra, cinco Estados foram criados ou restaurados nas fronteiras da Rússia: Polônia, Finlândia, Letônia, Estônia, Lituânia. Em lugar do Império Austro-Húngaro apareceram a Áustria, a Hungria, a Tchecoslováquia.

À Sérvia e à Rumânia foram anexados certos territórios do seu primitivo império e a Sérvia tomou o nome de Iugoslávia. A França recebeu a Alsácia e a Lorena, da Alemanha. A Polônia também recebeu pequeno território da Alemanha.

Por Robert Hastings Nichols

ÍNDICE

A preparação para o Cristianismo
01 - A contribuição dos Romanos, Gregos e Judeus
02 - Como era o mundo no surgimento do cristianismo

A fundação e expansão da Igreja
03 - Jesus e sua Igreja
04 - A Igreja Apostólica Até o Ano 100

A Igreja antiga (100 - 313) 
05 - O mundo em que a Igreja vivia (100 - 313)
06 - Características da Igreja Antiga (100-313)

A Igreja antiga (313- 590) 
07 - O mundo em que a Igreja vivia (313 - 590)
08 - Características da Igreja Antiga (313-590)

A Igreja no início da Idade Média (590 - 1073) 
09 - O mundo em que a Igreja vivia (590-1073)
10 - Características da Igreja no início da Idade Média 
11 - O cristianismo em luta com o paganismo dentro da Igreja

A Igreja no apogeu da Idade Média (1073 - 1294) 
12 - A Igreja no Ocidente - O papado Medieval - Hildebrando
13a - Inocêncio III
13b - A Igreja Governa o Mundo Ocidental
14 - A guerra da Igreja contra o Islamismo - As cruzadas 
15 - As riquezas da Igreja
16 - A organização da Igreja
17 - A disciplina e a lei da Igreja Romana
18 - O culto da Igreja
19 - O lugar da Igreja na religião
20 - A vida de alguns líderes religiosos: Bernardo, Domingos e Francisco de Assis
21 - O que a Igreja Medieval fez pelo mundo
22 - A igreja Oriental

Decadência e renovação na Igreja Ocidental (1294 - 1517)

23 - Onde a Igreja Medieval falhou
24 - Movimentos de protesto: Cataristas, Valdeneses, Irmãos
25 - A queda do Papado
26 - Revolta dentro da igreja: João Wycliff e João Huss
27 - Tentativas de reforma dentro da Igreja
28 - A Renascença e a inquietude social como preparação para a Reforma

Revolução e reconstrução (1517 - 1648) 
29 - A Reforma Luterana
30 - Como Lutero se tornou reformador
31 - Os primeiros anos da Reforma Luterana
32 - Outros desdobramentos da Reforma Luterana
33 - A Reforma na Suíça - Zuínglio
34 - Calvino - líder da Reforma em Genebra
35 - A Reforma na França
36 - A Reforma nos Países Baixos
37 - A Reforma na Escócia, Alemanha e Hungria

O cristianismo na Europa (1648 - 1800)
43 - A França e a Igreja Católica Romana
44 - A Igreja Católica Romana e a Revolução Francesa
45 - O declínio religioso após a Reforma
46 - O Pietismo
46 - A Igreja Oriental
47 - A Regra Puritana
48 - Restauração
49 - Revolução
50 - Declínio Religioso no começo do século 18
51 - O Reavivamento do Século 18 e seus resultados
52 - Os Pactuantes (Covenanters)
53 - O Século 18 na Escócia
54 - O Presbiterianismo na Irlanda

O Século 19 na Europa
55 - O Catolicismo Romano
56 - O Protestantismo na Alemanha, França, Holanda, Suíça, Escandinávia e Hungria
57 - O Movimento Evangélico na Inglaterra
58 - O Movimento Liberal
59 - O Movimento Anglo-Católico
60 - As Igrejas Livres
61 - As Igrejas na Escócia: despertamento, descontentamento e cisão
62 - As missões e o cristianismo europeu

O Século 20 na Europa
63 - História Política até 1935
64 - O Catolicismo Romano
65 - O Protestantismo no Continente
66 - A Igreja da Inglaterra
67 - As Igrejas Livres 
68 - A Escócia
69 - A Igreja Ortodoxa Oriental
70 - Outros países orientais
71 - O Movimento Ecumênico

O cristianismo na América
72 - As primeiras tentativas
73 - As Treze Colônias
74 - Reconstrução e reavivamento após a Guerra da Independência
75 - O Século 19 até 1830
76 - 1830 - 1861
77 - 1861 - 1890
78 - 1890 - 1929

Tecnologia do Blogger.