37 - A Reforma na Escócia, Alemanha e Hungria

E - A REFORMA NA ESCÓCIA

A Escócia no século XVI era um reino independente, muito mais amigo da França do que da Inglaterra. 

Seu clero católico tinha sido peculiarmente indigno e incompetente. Por isto não surpreende que os ensinos da Reforma fossem ali avidamente aceitos a despeito da oposição da Igreja Romana e do governo e apesar, ainda, de serem queimados alguns dos pregadores protestantes.




A vida de João Knox
O grande reformador da Escócia, João Knox, apareceu em cena em 1546. Da sua vida passada apenas sabemos que nasceu em 1515.

Tornou-se sacerdote, foi tutor dos filhos de algumas famílias nobres e, depois, companheiro de George Wishart, um dos mártires protestantes.

De sua ousadia em pregar o Cristianismo reformado resultou, em 1546, ser preso por uma força francesa que fora enviada para auxiliar o governo escocês.

Por dezenove meses suportou a "vida de morte" numa das galés de escravos, na França. Passou depois vários anos na Inglaterra, enquanto a Reforma progredia sob o governo de Eduardo VI, e destacou-se como notável pregador.

Ao rebentar a perseguição no reinado da rainha Maria, fugiu para o continente. Passou algum tempo em Genebra onde se ligou intimamente a Calvino.

Viajando sempre, entrou em contato com muitos líderes protestantes do continente e seus respectivos campos de trabalho.



Knox volta à Inglaterra
Enquanto isso a Reforma prosseguia de algum modo na Escócia sob a liderança de certos nobres conhecidos como os "Lords da Congregação".

Quando Knox regressou em 1559 para assumir a direção do movimento, encontrou-os prontos a lutar pela liberdade da fé, contra a rainha regente.

Dispondo de tropas francesas para a luta, ela teria alcançado a vitória caso Knox não solicitasse o auxílio de Cecil, secretário do Estado da rainha Isabel que viu quanto era necessário ter uma Escócia protestante ao lado de uma Inglaterra protestante.

Em 1560 uma armada e um exército ingleses expulsaram os franceses em meio ao maior regozijo do povo escocês.

A Reforma vitoriosa
O campo estava livre para João Knox e seus companheiros de ideal. João Knox pregava constantemente com extraordinária eloquência, fortalecendo a causa reformada com seus argumentos poderosos.

Organizou-se então, com grande rapidez, uma Igreja Reformada Escocesa sob sua direção. Ele, auxiliado por outros ministros, escreveu a nobre "Confissão Escocesa". O Parlamento adotou-a como o credo da Igreja nacional, rejeitando ao mesmo tempo a autoridade do papa e proibindo a missa.

Knox também foi o principal autor do "Livro de Disciplina", que traçava uma forma presbiteriana de governo para a Igreja, seguindo o mesmo plano da Igreja Protestante Francesa.

Em virtude dessas medidas reuniu-se neste mesmo ano, 1560 a primeira Assembléia Geral da Igreja da Escócia. A nação, por todas as suas classes, deu as boas vindas à nova ordem e a Reforma foi concluída e solidificada, embora não ainda com plena legalidade.

Knox e a rainha Maria
Mas as conquistas alcançadas tinham de ser defendidas. Em 1561, Maria, rainha da Escócia, veio da França reinar na sua própria terra, decididamente resolvida a restabelecer o catolicismo romano. E quase alcançou o seu objetivo.

Fracassou devido, parcialmente, à sua própria perversidade e aos seus desatinos, o que despertou geral indignação contra ela, e por outra parte, por causa da atitude decidida de João Knox.

Contra a rainha e os nobres que com ela estavam, Knox sustentou a bandeira da causa protestante, com o auxílio sempre crescente da parte do povo. Em 1587, após a abdicação da rainha, a Reforma reconhecida e confirmada pelo rei.




A luta pelo presbiterianismo - Melville
Depois de alcançada a vitória do protestantismo, surgiu a luta pelo presbiterianismo. O filho da rainha Maria, Tiago VI, que veio a ser depois Tiago I da Inglaterra, tentou introduzir bispos na igreja escocesa.

Ele viu que um governo eclesiástico presbiteriano nutriria e desenvolveria o espírito de liberdade entre o povo.

Igualmente, alguns nobres que se aliaram ao rei, julgaram que a introdução de bispos na igreja lhes daria uma oportunidade de ficarem com as terras que tinham pertencido aos bispos medievais.

André Melville foi o ousado líder presbiteriano dos escoceses nessa luta contra o rei. Por causa dos seus esforços a Igreja Escocesa alcançou uma forma de governo presbiteriana completa e que ainda não tinha sido plenamente alcançada desde que surgira a Reforma.

Mas depois o rei foi vitorioso a Igreja da Escócia teve bispos, a partir de 1610, até os dias do Concerto (Convenant).



F - A IGREJA REFORMADA NA ALEMANHA

Já consideramos o grande número de protestantes zuinglianos na Alemanha, especialmente no sul, grupo este que iniciou a Igreja Reformada da Alemanha.

Quando a influência e as ideias de Calvino se irradiaram de Genebra, os luteranos, em algumas regiões, preferiram segui-las em vez de conservarem os pontos de vista de Lutero, e isto aconteceu principalmente no Palatinado (vale do Reno) cujo governador, o Eleitor Frederico III, era homem profundamente religioso e um forte calvinista.

Foi assim que o número de reformados na Alemanha cresceu extraordinariamente. O credo principal deles foi o famoso catecismo de Heidelberg, escrito por Zacarias Ursino e Gaspar Oliviano. Este catecismo foi publicado em 1563, pelo Eleitor, como o Credo do seu país.

Desta Igreja Reformada Alemã procedeu a Igreja Reformada dos Estados Unidos, às vezes conhecida como Igreja Reformada Alemã.

G - A IGREJA REFORMADA NA HUNGRIA
Os ensinos protestantes se espalharam largamente na Hungria durante o século XVI. Houve ali muitos luteranos e calvinistas, sendo que estes últimos eram mais numerosos. Apesar dos obstáculos resultantes das desordens políticas, desenvolveu-se ali uma forte Igreja Reformada.

H - CARACTERÍSTICAS DAS IGREJAS REFORMADAS
Além dos movimentos descritos neste capítulo, o Protestantismo Reformado inclui, numa grande extensão, a Reforma na Inglaterra onde as influências e as ideias da Reforma, vindas do continente, eram muito fortes. O puritanismo, em particular, pertence ao protestantismo reformado ou calvinista.

O protestantismo luterano e o reformado concordaram no princípio central da Reforma: Sacerdócio de todos os crentes, a possibilidade de o pecador dirigir-se ao seu Deus, pessoalmente, sem intermediários, exceto Jesus Cristo.

Mas havia diferenças.

O protestantismo reformado desenvolveu-se naquelas partes da Europa onde havia mais progresso intelectual resultante do desenvolvimento do humanismo e onde havia mais liberdade política. Daí ter sido ele tão eficiente e decidido na sua separação da igreja medieval, ou seja, da Igreja Romana.

A esta reforma mais radical deu-se o nome de Protestantismo Reformado. O princípio básico do protestantismo reformado era o de que a vontade de Deus, revelada na Bíblia, devia ser realizada.

O principal objetivo do cristão, ensinava-se, era alcançar o cumprimento do propósito de Deus na sua vida. Mas o luteranismo ensinava que o principal objetivo do cristão era manter sua fé, sua confiança em Deus.

Por esta razão a tendência do luteranismo era para o quietismo e a do cristianismo reformado, para a atividade, para a vivacidade. A função principal da igreja, segundo o luteranismo, era oferecer o Evangelho e ministrar os sacramentos.

Segundo o ensino reformado tal função era pôr em execução a vontade de Deus nos indivíduos em sociedade. Isto explica porque as igrejas reformadas exerceram mais poderosa influência na vida social e política dos povos, do que as luteranas.



Notas
(1) A Reforma na Inglaterra teve laços muito fortes com o lado reformado do Cristianismo, isto é, o Protestantismo, mas em outros aspectos importantes conservou características que lhe são próprias.

(2) "Huguenotes" foi a princípio um apelido dado aos protestantes pelos católicos romanos. Sua origem foi a seguinte: Os protestantes de Tours costumavam reunir-se à noite, no portão do palácio do Rei Hugo. O povo do lugar cria que o espírito do rei Hugo perambulava durante a noite. Um monge dissera num sermão que os protestantes deveriam ser chamados huguenotes, que significa parentes de Hugo, porque se pareciam com ele por andarem somente à noite.

Por Robert Hastings Nichols

ÍNDICE

A preparação para o Cristianismo

01 - A contribuição dos Romanos, Gregos e Judeus
02 - Como era o mundo no surgimento do cristianismo

A fundação e expansão da Igreja
03 - Jesus e sua Igreja
04 - A Igreja Apostólica Até o Ano 100

A Igreja antiga (100 - 313) 
05 - O mundo em que a Igreja vivia (100 - 313)
06 - Características da Igreja Antiga (100-313)

A Igreja antiga (313- 590) 
07 - O mundo em que a Igreja vivia (313 - 590)
08 - Características da Igreja Antiga (313-590)

A Igreja no início da Idade Média (590 - 1073) 
09 - O mundo em que a Igreja vivia (590-1073)
10 - Características da Igreja no início da Idade Média 
11 - O cristianismo em luta com o paganismo dentro da Igreja

A Igreja no apogeu da Idade Média (1073 - 1294) 
12 - A Igreja no Ocidente - O papado Medieval - Hildebrando
13a - Inocêncio III
13b - A Igreja Governa o Mundo Ocidental
14 - A guerra da Igreja contra o Islamismo - As cruzadas 
15 - As riquezas da Igreja
16 - A organização da Igreja
17 - A disciplina e a lei da Igreja Romana
18 - O culto da Igreja
19 - O lugar da Igreja na religião
20 - A vida de alguns líderes religiosos: Bernardo, Domingos e Francisco de Assis
21 - O que a Igreja Medieval fez pelo mundo
22 - A igreja Oriental

Decadência e renovação na Igreja Ocidental (1294 - 1517)

23 - Onde a Igreja Medieval falhou
24 - Movimentos de protesto: Cataristas, Valdeneses, Irmãos
25 - A queda do Papado
26 - Revolta dentro da igreja: João Wycliff e João Huss
27 - Tentativas de reforma dentro da Igreja
28 - A Renascença e a inquietude social como preparação para a Reforma

Revolução e reconstrução (1517 - 1648) 
29 - A Reforma Luterana
30 - Como Lutero se tornou reformador
31 - Os primeiros anos da Reforma Luterana
32 - Outros desdobramentos da Reforma Luterana
33 - A Reforma na Suíça - Zuínglio
34 - Calvino - líder da Reforma em Genebra
35 - A Reforma na França
36 - A Reforma nos Países Baixos
37 - A Reforma na Escócia, Alemanha e Hungria



O cristianismo na Europa (1648 - 1800)
43 - A França e a Igreja Católica Romana
44 - A Igreja Católica Romana e a Revolução Francesa
45 - O declínio religioso após a Reforma
46 - O Pietismo
46 - A Igreja Oriental
47 - A Regra Puritana
48 - Restauração
49 - Revolução
50 - Declínio Religioso no começo do século 18
51 - O Reavivamento do Século 18 e seus resultados
52 - Os Pactuantes (Covenanters)
53 - O Século 18 na Escócia
54 - O Presbiterianismo na Irlanda

O Século 19 na Europa
55 - O Catolicismo Romano
56 - O Protestantismo na Alemanha, França, Holanda, Suíça, Escandinávia e Hungria
57 - O Movimento Evangélico na Inglaterra
58 - O Movimento Liberal
59 - O Movimento Anglo-Católico
60 - As Igrejas Livres
61 - As Igrejas na Escócia: despertamento, descontentamento e cisão
62 - As missões e o cristianismo europeu

O Século 20 na Europa
63 - História Política até 1935
64 - O Catolicismo Romano
65 - O Protestantismo no Continente
66 - A Igreja da Inglaterra
67 - As Igrejas Livres 
68 - A Escócia
69 - A Igreja Ortodoxa Oriental
70 - Outros países orientais
71 - O Movimento Ecumênico

O cristianismo na América
72 - As primeiras tentativas
73 - As Treze Colônias
74 - Reconstrução e reavivamento após a Guerra da Independência
75 - O Século 19 até 1830
76 - 1830 - 1861
77 - 1861 - 1890
78 - 1890 - 1929
Tecnologia do Blogger.