52 - Os Pactuantes (Covenanters)


VI. O PROTESTANTISMO NA ESCÓCIA E NA IRLANDA

A – OS PACTUANTES (COVENANTERS)

A igreja da Escócia torna-se episcopal
Na descrição que neste capítulo fizemos do que ocorreu na Inglaterra, vimos a devoção da Escócia ao Presbiterianismo, manifesto na Liga Solene e no grande Pacto. Mas a restauração de Carlos II foi seguida de uma reação, semelhante à que houve na Inglaterra.

Em 1661, o Parlamento escocês restabeleceu os bispos na Igreja da Escócia e declarou o rei como chefe da Igreja. Removeu também das suas paróquias muitos ministros que foram substituídos por homens incompetentes.

Contra tal atitude houve protesto do povo, que em grande parte abandonou as igrejas para ouvir os ministros expulsos em suas próprias casas ou nas praças públicas.



Os pactuantes perseguidos
O governo então resolveu forçar o povo a assistir às reuniões nas igrejas, valendo-se de leis opressivas.

Levantaram-se os Covenanters ou Pactuantes, poderoso grupo de pessoas que insistia em permanecer fiel à antiga forma presbiteriana e contrário às interferências do governo nos negócios eclesiásticos. Contra essas pessoas moveu-se selvagem perseguição cujo resultado foi torná-las mais firmes.

Tal oposição ao governo, afinal, transformou-se em rebelião armada que terminou na batalha da Ponte Bothwell em 1679, onde os rebeldes foram derrotados.

Depois disto alguns pactuantes prometeram ficar em paz. Outros, porém, conhecidos como "Cameronians", com seu chefe Ricardo Cameron, nem se submeteram nem reconheceram um governo que lhe exigia o que eles próprios consideravam erro.

No oeste da Escócia esta gente foi perseguida por toda a parte; homens e mulheres preferiram abandonar suas profissões e lares a violar suas convicções quanto ao que julgavam ser a vontade de Deus.

O período mais cruel para eles foram os "Tempos de Trucidamento" ou "Killing Times", de 1684 a 1688, quando muito sofreram às mãos da terrível Claverhouse e dos seus dragões.



A igreja escocesa volta a ser presbiteriana
O fim dessa perseguição veio com a ascensão ao poder, de Guilherme e Maria, em 1689. O presbiterianismo foi, então, restaurado na Escócia para nunca mais ser perturbado.

Alguns dos "cameronianos" não aprovaram de todo esta restauração, em virtude de não se fazer referência especial ao Contrato ou Acordo, que para eles era de tanta importância e estima.

Daí eles se recusarem a tomar parte na igreja reorganizada da Escócia. Deles procedeu a organização que tomou o nome de Igreja Reformada Presbiteriana.

Por Robert Hastings Nichols

ÍNDICE

A preparação para o Cristianismo

01 - A contribuição dos Romanos, Gregos e Judeus
02 - Como era o mundo no surgimento do cristianismo

A fundação e expansão da Igreja
03 - Jesus e sua Igreja
04 - A Igreja Apostólica Até o Ano 100

A Igreja antiga (100 - 313) 
05 - O mundo em que a Igreja vivia (100 - 313)
06 - Características da Igreja Antiga (100-313)

A Igreja antiga (313- 590) 
07 - O mundo em que a Igreja vivia (313 - 590)
08 - Características da Igreja Antiga (313-590)

A Igreja no início da Idade Média (590 - 1073) 
09 - O mundo em que a Igreja vivia (590-1073)
10 - Características da Igreja no início da Idade Média 
11 - O cristianismo em luta com o paganismo dentro da Igreja

A Igreja no apogeu da Idade Média (1073 - 1294) 
12 - A Igreja no Ocidente - O papado Medieval - Hildebrando
13a - Inocêncio III
13b - A Igreja Governa o Mundo Ocidental
14 - A guerra da Igreja contra o Islamismo - As cruzadas 
15 - As riquezas da Igreja
16 - A organização da Igreja
17 - A disciplina e a lei da Igreja Romana
18 - O culto da Igreja
19 - O lugar da Igreja na religião
20 - A vida de alguns líderes religiosos: Bernardo, Domingos e Francisco de Assis
21 - O que a Igreja Medieval fez pelo mundo
22 - A igreja Oriental

Decadência e renovação na Igreja Ocidental (1294 - 1517)

23 - Onde a Igreja Medieval falhou
24 - Movimentos de protesto: Cataristas, Valdeneses, Irmãos
25 - A queda do Papado
26 - Revolta dentro da igreja: João Wycliff e João Huss
27 - Tentativas de reforma dentro da Igreja
28 - A Renascença e a inquietude social como preparação para a Reforma

Revolução e reconstrução (1517 - 1648) 
29 - A Reforma Luterana
30 - Como Lutero se tornou reformador
31 - Os primeiros anos da Reforma Luterana
32 - Outros desdobramentos da Reforma Luterana
33 - A Reforma na Suíça - Zuínglio
34 - Calvino - líder da Reforma em Genebra
35 - A Reforma na França
36 - A Reforma nos Países Baixos
37 - A Reforma na Escócia, Alemanha e Hungria

O cristianismo na Europa (1648 - 1800)
43 - A França e a Igreja Católica Romana
44 - A Igreja Católica Romana e a Revolução Francesa
45 - O declínio religioso após a Reforma
46 - O Pietismo
46 - A Igreja Oriental
47 - A Regra Puritana
48 - Restauração
49 - Revolução
50 - Declínio Religioso no começo do século 18
51 - O Reavivamento do Século 18 e seus resultados
52 - Os Pactuantes (Covenanters)
53 - O Século 18 na Escócia
54 - O Presbiterianismo na Irlanda

O Século 19 na Europa
55 - O Catolicismo Romano
56 - O Protestantismo na Alemanha, França, Holanda, Suíça, Escandinávia e Hungria
57 - O Movimento Evangélico na Inglaterra
58 - O Movimento Liberal
59 - O Movimento Anglo-Católico
60 - As Igrejas Livres
61 - As Igrejas na Escócia: despertamento, descontentamento e cisão
62 - As missões e o cristianismo europeu

O Século 20 na Europa
63 - História Política até 1935
64 - O Catolicismo Romano
65 - O Protestantismo no Continente
66 - A Igreja da Inglaterra
67 - As Igrejas Livres 
68 - A Escócia
69 - A Igreja Ortodoxa Oriental
70 - Outros países orientais
71 - O Movimento Ecumênico

O cristianismo na América
72 - As primeiras tentativas
73 - As Treze Colônias
74 - Reconstrução e reavivamento após a Guerra da Independência
75 - O Século 19 até 1830
76 - 1830 - 1861
77 - 1861 - 1890
78 - 1890 - 1929
Tecnologia do Blogger.