Sociais

Demônios: A atividade dos demônios, o pecado e a possessão (11)



Em nossa última e breve exposição sobre o que a Bíblia fala sobre Satanás e os demônios apontamos o agir desses seres durante as diferentes eras. A partir de agora, mostraremos o que a Bíblia fala a respeito da relação dos cristãos com esses seres:


1. Eles estão ativos no mundo. 
Rudolf Bultmann disse que demônios eram mitos e, por isso, deviam ser desconsiderados das páginas do Novo Testamento para que as pessoas cultas pudessem receber o Evangelho. Mas a Bíblia mostra que Satanás sempre esteve ativo e por isso é necessário atenção (1 Pe 5.8). 

Além disso, Jesus alertou que viriam tempos em que as pessoas poderiam ser enganadas com a presença de falsos cristos (Mc 13.21,22). Esses impostores, certamente, são agentes sob influência direta de Satanás (2 Cor 4.4;11.14).

2. A responsabilidade pelo pecado. 
É verdade que Satanás foi o primeiro a pecar e que o Novo Testamento fala da influência dos demônios sobre a vida do crente. Porém, deve ficar claro que a decisão de obedecer ou não ao Senhor é de responsabilidade do homem (Rm 6.12-16; Gl 5.16-26). 

O NT não enfatiza a influência dos demônios levando o cristão a pecar, mas sim o pecado praticado pelo próprio crente. Paulo, quando escreveu para os coríntios, não ordenou que repreendessem os demônios - antes, advertiu seus leitores para que eliminassem as divisões e os litígios; que disciplinassem o incestuoso, que corrigissem os erros na Santa Ceia.

3. Um cristão pode ser possuído pelo demônio?
A fórmula “possessão demoníaca” não ocorre na Bíblia. O Novo Testamento fala em pessoa que “tem demônio” (Mt 11.18) ou que sofre influência demoníaca. O termo possessão comunica a idéia de que o indivíduo está desprovido de condições de tomar decisões por si mesmo. 

Portanto, considerando que o que ocorre é influência demoníaca, a resposta para a pergunta acima é sim. O cristão pode sofrer graus diversos de ataque ou influência demoníaca (Lc 4.2; 2 Cor 12.7; Ef 6.12; Tg 4.7; 1 Pe 5.8). Por outro lado, nenhum cristão genuíno pode ter em si um demônio, visto que ele é santuário do Espírito (1 Cor 3.16).

Conclusão
Diante do exposto, aprendemos que Satanás está ativo; entretanto, embora tenha sido o primeiro a pecar, a responsabilidade pelo pecado de cada pessoa é de si mesma. Além disso, o crente não pode ter em si um demônio; contudo, isso não o isenta de sofrer ataques do mal.
------------------------------------
Carlos Eduardo Pereira de Souza  é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. Formou-se em Teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 2003 e pela Universidade Presbiteriana Mackenzie em 2012. Possui Mestrado em Divindade com concentração no Novo Testamento pelo Centro de Pós Graduação Andrew Jumper em 2013.

Google Plus