Demônios: A oposição, ação e poder dos demônios (09)


No último artigo abordamos três aspectos que são revelados pela Escritura sobre Satanás e seus demônios. Conforme vimos, Satanás, assim como seus anjos, foi criado por Deus. Antes da natureza malévola, eram bons. Enfim, de Satanás se originou o pecado. 

A seguir, veremos outros aspectos que envolvem esses seres. Vejamos:

1. São opositores da obra de Deus. Em toda Escritura fica claro que Satanás se opõe a tudo o que Deus faz e seu intento principal é destruir a Criação. Ele levou Eva a pecar (Gn 3.1-6), bem como tentou Jesus, a fim de que este falhasse em sua obra (Mt 4.1-11). 

Suas táticas são a mentira, (Jo 8.44), o engano (Ap 12.9), o homicídio (Sl 106.37; Jo 8.44) e todo ato que leva uma pessoa a se afastar de Deus. 

Os demônios usam de todas as armas para cegar as pessoas (2 Cor 4.4) e aprisioná-las, de forma que não se aproximem de Deus (Gl 4.8). Eles usam a tentação, a dúvida, a culpa, o medo, a confusão, a inveja, o orgulho, a calúnia e outros métodos para atrapalhar o testemunho cristão e sua relevância.

2. Suas ações são limitadas. Embora Satanás use vários métodos para se opor a Deus, suas ações são limitadas. A história de Jó é um exemplo disso. Nela, Satanás pode fazer somente aquilo que lhe foi permitido que fizesse (Jó 1.12; 2.6). 

De acordo com Judas, os demônios são mantidos em algemas eternas (Jd 6). Em Apocalipse 20, lemos que Satanás está aprisionado durante os mil anos, o que comunica o princípio de que suas ações estão limitadas (Ap 20.2).

3. Seu poder é limitado. Esse princípio decorre do anterior. Segundo Wayne Grudem, “depois de rebelar-se contra Deus, eles já não têm o poder que tinham quando eram anjos”. Grudem acrescenta: “O poder dos demônios, embora significativo, é, portanto, provavelmente menor que o dos anjos”. 

Consequentemente, os demônios não têm poder para ler as mentes ou prever o futuro, atributos exclusivos de Deus (Is 46.9-10). Eles, assim como qualquer outro ser, não têm a capacidade de saber o dia do retorno de Cristo (Mc 13.32).

Conclusão. 
Satanás é um ferrenho opositor de Deus, por isso desde o princípio busca destruir a obra do Senhor. Contudo, mesmo nesse intento, suas ações e seu poder são limitados. Essas verdades nos ajudam a compreender, por um lado, seu dinamismo em executar seus planos, e, por outro, nos ensinam que mesmo sendo astutos, Satanás e seus demônios estão sujeitos à soberania de Deus.
Carlos Eduardo Pereira de Souza  é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. Formou-se em Teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 2003 e pela Universidade Presbiteriana Mackenzie em 2012. Possui Mestrado em Divindade com concentração no Novo Testamento pelo Centro de Pós Graduação Andrew Jumper em 2013.

Tecnologia do Blogger.