Tempos difíceis - A desobediência aos pais (6)

Charge via Rabix

"Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão... desobedientes aos pais..." - 2 Timóteo 3.1,2

A desobediência ou desonra aos pais não é algo novo, e tem de maneira geral sido presente na história e nas culturas, com menos ou mais intensidade. 

Em uma análise do comportamento de certas culturas, o comentarista bíblico Albert Barnes (em http://biblehub.com/commentaries/barnes/romans/1.htm - Tópico Romanos 1.30), escreve que era costume entre os habitantes das ilhas Sandwich enterrarem seus pais vivos quando fossem idosos, doentes e sem esperanças de cura. Barnes também constatou que era costume na Índia deixar os pais idosos para perecer nas margens do rio Ganges.

Isto é chocante, mas não incomum e diferente do que encontramos nos noticiários hodiernos. O caso que mais marcou o Brasil foi o da família Richthofen, onde a filha planejou a morte dos pais. Todavia, longe dos holofotes da mídia coisas assim estão acontecendo com muita frequência. Basta colocar os termos certos na busca do Google que você vai se surpreender. 


Deixemos esses extremos de lado e pensemos também nas situações mais ordinárias. Hoje os lares vivem uma espécie de “filho-centrismo”. A autoridade dos pais se diluiu e tudo se inverteu: os pais de obedecem aos seus filhos e não os filhos aos pais. O(a) filho(a) chega a hora que quer, faz o que bem entende, dorme com a(o) namorada(o) em casa, não dá satisfação, e assim por diante...

Hoje há muitos jovens que destratam seus pais. Xingam, maltratam, fazem jogos psicológicos, culpam-nos por todos os fracassos, não expressam amor, desprezam e não perdoam.

Outros, já adultos, se esquecem do cuidado que receberam e abandonam seus pais idosos e doentes. Não prestam sequer apoio emocional e enxergam-nos como um grande fardo.

A verdade é que essa atitude, seja na infância, juventude ou vida adulta, gira em torno do egoísmo. O reconhecimento da autoridade não encontra lugar no egoísmo. E em tempos de egoísmo, quando o que vale é “o que eu penso” e “os meus problemas”, não se respeitam os limites impostos pelos pais, nem há preocupação em dar-lhes vida honrada até os seus últimos dias.

A Bíblia ensina exatamente o oposto. A criança deve ser educada e orientada desde cedo sobre o mandamento bíblico de obedecer aos pais. O adolescente, em sua fase de contraste natural com os pais, precisa aprender desenvolver suas opiniões sem contrariar a Palavra de Deus e a orientação de seus pais para a sua vida.

Obedecer e honrar aos pais é mandamento. Se cumprido, traz bênçãos da parte de Deus. Quando os filhos cumprem a vontade de Deus estão contribuindo para a unidade da família, para a vivência do amor e honrando através dos seus pais ao próprio Deus Pai, “de quem toma o nome toda família, tanto no céu como sobre a terra”. 
Êxodo 20:12

12 - Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá.
Por Andrei de Almeida Barros

Tempos difíceis - índice de artigos
01 - A jactância
02 - A avareza
03 - O egoísmo
04 - A blasfêmia
05 - A arrogância
06 - A desobediência aos pais
07 - A ingratidão
08 - A irreverência
09 - A desafeição
10 - Os implacáveis
11 - A calúnia
12 - A falta de domínio próprio
13 - A Crueldade
14 - Os inimigos do bem
15 - A traição
16 - Os atrevidos
17 - Os que inflam seus egos
18 - Os amigos dos prazeres
19 - A falsa piedade
Tecnologia do Blogger.