Sociais

A divindade de Cristo (2)



Na reflexão anterior iniciamos nossa abordagem sobre a divindade de Cristo, demonstrando as evidências bíblicas sobre essa doutrina. Segundo o que vimos, os termos “Deus” e “Senhor” são empregados a Cristo com o objetivo de afirmar que ele é plenamente divino. Continuaremos nessa abordagem apresentando outras evidências bíblicas sobre a divindade de Cristo.


1. A frase “EU SOU”
Foi utilizada por Deus quando se revelou a Moisés em Ex 3.14. Ela significa que Ele existe eternamente e que não foi criado por ninguém. Jesus, no Evangelho de João, usa várias vezes essa frase, como uma referência a si mesmo. Seu objetivo era usar a mesma fórmula através da qual o Senhor se revelou como Deus. Nesse sentido, Jesus se faz valer de tal fórmula para se revelar como divino. Um dos exemplos disso é a declaração feita em Jo 8.58: “Em verdade, em verdade eu vos digo: antes que Abraão existisse, EU SOU”. Aqui, Jesus demonstra não somente sua divindade, mas também a sua natureza eterna.

2. A fórmula “Alfa e Ômega”
Essa fórmula é outra forte evidência sobre a divindade de Cristo. Em Ap 1.8, Deus dela se utiliza para revelar-se como o soberano sobre toda a história, bem como sobre toda a Criação. Semelhantemente, é empregada a Cristo em Ap 22.13. Sendo assim, a conclusão óbvia é que Cristo, em sua divindade, e assim como o Pai, governa soberanamente a história e a Criação.

3. A expressão “Verbo”
Empregada por João em Jo 1.1-14, essa expressão possuía um duplo sentido na época do evangelista. Por um lado, era uma referência à palavra poderosa de Deus, que criou todas as coisas (Sl 33.6). Por outro, à semelhança do pensamento grego, significava um princípio organizador ou unificador do universo. João, ao empregar a expressão “verbo” a Cristo, está identificando-o com essas duas ideias. Isto é, Cristo é a Palavra de Deus e aquele que organiza e unifica a Criação.

Conclusão
Além das palavras “Deus” e “Senhor”, que ao serem aplicadas a Jesus comprovam sua divindade, há outras expressões que têm essa mesma função. São os casos das fórmulas “EU SOU”, “Alfa e Ômega” e “Verbo”. Não nos afastemos desse ensino e estejamos preparados para refutar qualquer afirmação contrária à divindade de Cristo.

------------------------------------
Carlos Eduardo Pereira de Souza  é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. Formou-se em Teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 2003 e pela Universidade Presbiteriana Mackenzie em 2012. Possui Mestrado em Divindade com concentração no Novo Testamento pelo Centro de Pós Graduação Andrew Jumper em 2013.

Google Plus