Hino 214 - Convite e aceitação



1. Ouço meu Senhor dizer:
"Tuas forças débeis são,
Nada podes merecer;
Eu te dou a salvação."


    A ti, Senhor Jesus, 
    Venho como estou;
    Pois, sem nada merecer,
    Teu sangue me salvou.

2. Sim, eu venho a ti, Senhor,
Tua graça receber;
Infinito é teu amor,
Sem limite o teu poder.

3. Pela fé em ti, Jesus,
Recebi perdão e paz;
Tua graça lá na cruz
A minha alma satisfaz.
4. Quando estou em aflições,
Tu és meu Consolador;
Quando exposto às tentações,
Meu auxílio e protetor.

5. Lá na glória cantarei
Tua eterna salvação;
Junto ao trono renderei
Meu louvor e gratidão.


Informações
Letra: Elvina Mabel Hall, 1865
Tradução: James Theodore Houston, 1881
Música: Jhon Thomas Grape, 1833 - 1906

História
Já nos referimos ao Rev. James Theodoro Houston no hino n° 35. Em destaque à sua participação no hinário do Rev. Boyle, o "Hymnos e Cânticos Sagrados", contamos vinte e quatro hinos. O hinário citado foi publicado no Rio de Janeiro em 1888 e divulgou este hino de Elvina M. Hall que já tinha sido traduzido em 1881 pelo Rev. Houston. 

O Rev. Boyle foi um dos primeiros pastores a se preocupar com nossa hinologia e respeitava muito a opinião de Houston. Deixou-nos este depoimento registrado no prefácio de seu hinário e transcrito por Themudo Lessa: 

Mandei o manuscrito deste livro ao Rev. Sr. Houston, pedindo-lhe que o criticasse, o que fez. Examinou minuciosamente, linha por linha, palavra por palavra. Deu-me sua opinião sobre o arranjo dos assuntos, sobre hinos e versos que julgava dever eliminar; criticou algumas modificações que fiz e recomendou outras melhores: recomendou também outras modificações que eu não tinha feito: e notou erros na versificação, na gramática e na doutrina. As suas recomendações e críticas foram de proveito incalculável. (Lessa, Vicente Themudo "Annaes da 1ª Egreja Presbyteriana de S. Paulo" (1863 - 1903), edição da 1ª Egreja Presbyteriana Independente de São Paulo, 1938, p. 123).

Em 1883 o Rev. Houston casou-se em segundas núpcias com uma missionária em Rio Claro, Miss Sophia Dale, cunhada do Rev. Roberto Lenington.

Voltou alguns anos depois aos Estados Unidos, novamente ao Brasil e definitivamente, em 1902, retornou à sua pátria onde faleceu aos oitenta e dois anos. No ano seguinte à sua morte, Sophia Houston também foi chamada pelo Senhor.

Tecnologia do Blogger.