A missão de Jesus (e a nossa missão)


Lucas 9:51-5651 - Como estava chegando o tempo de Jesus ir para o céu, ele resolveu ir para Jerusalém.
52 - Então mandou que alguns mensageiros fossem na frente. No caminho eles entraram em um povoado da região de Samaria a fim de prepararem um lugar para ele.
53 - Mas os moradores dali não quiseram receber Jesus porque viram que ele estava indo para Jerusalém.
54 - Quando os seus discípulos Tiago e João viram isso, disseram: —O senhor quer que a gente mande descer fogo do céu para acabar com estas pessoas?
55 - Porém Jesus, virando-se para eles, os repreendeu.
56 - Então ele e os seus discípulos foram para outro povoado.
De acordo com os registros do Evangelho de Lucas, Jesus fez uma última caminhada até Jerusalém a fim de cumprir sua missão. Ele é o educador que mostra pela palavra, ação, sua morte e ressurreição, o caminho que nos leva a salvação e a comunhão com o Pai. 

E nós igreja, que caminhamos com Jesus, que lições podemos aprender no tocante à nossa missão? É importante saber o que se requer de uma comunidade que deseja caminhar com Jesus:


1. Como Jesus, devemos ter determinação no cumprimento da missão
Jesus em seu ministério sempre demonstrou consciência de sua missão. Jamais deixou de falar dela e sempre teve o firme propósito de cumprir o seu destino, a despeito dos terríveis sofrimentos que enfrentaria. 

Quando chega o momento certo, Jesus vai ao encontro de sua missão, fazendo essa determinação se evidenciar pela sua própria aparência, pois “manifestou no semblante a intrépida resolução de ir para Jerusalém”. (51)

Mas durante o trajeto havia necessidade de descansar em uma aldeia de samaritanos. Estes, por sua vez, se recusaram receber Jesus porque “o seu aspecto era de quem decisivamente ia para Jerusalém”. (53) 

Porém Jesus não desanimou ou se intimidou diante da já conhecida hostilidade dos samaritanos contra os judeus. Ele seguiu com determinação “para outra aldeia” (56).

A Igreja hoje também possui uma missão que precisa ser cumprida com determinação. Ela precisa anunciar as boas notícias do Reino de Deus! Será que tal determinação é percebida no “semblante” de cada um de nós?

2. A exemplo de Jesus, tolerância é parte integrante da missão. 
Diante da hostilidade dos habitantes da aldeia que Jesus esperava se hospedar, Tiago e João mostraram intolerância. A reação deles foi de uma hostilidade ainda maior que receberam: “queres que mandemos fogo do céu para os consumir?” (54)

Muitas vezes também agimos assim quando somos hostis para com as pessoas que nos decepcionam, ou não se mostram abertas para realizar a obra que o Senhor espera de nós, como aconteceu com aquela cidade samaritana.

Jesus ensina a tolerância e repreende os discípulos afirmando que o objetivo da missão era salvar e não destruir. O ministério de Jesus é caracterizado por atender o aflito e necessitado, estender a mão ao caído, buscar o perdido. 

O exemplo de Jesus deve nos levar a agir da mesma forma. Isso não significa que não vamos mostrar os erros ao pecador, mas o processo de correção tem que acontecer numa atmosfera de amor e graça. É importante caminhar sem perder de vista que o objetivo da missão é salvar vidas e não destruí-las. 

3. Como Jesus, não devemos perder o objetivo da missão.
O objetivo da missão de Jesus Cristo era claro: “o Filho do homem não veio para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las”. A caminhada de Jesus a Jerusalém era para cumprir cabalmente este alvo e todo o seu ministério aqui na terra é um exemplo claro dessa realidade. 

O Reformador John Knox comenta que “essa passagem nos faz lembrar da admirável paciência de Deus. Nós é que, em nosso pecado, queremos fazer descer fogo do céu, afim de destruir os malfeitores; mas Deus, não a despeito da sua santidade, mas por causa dela, mostra-se paciente”. 

Na missão de Jesus, encontramos o centro da missão da igreja. Somos chamados, não para esmagar a cana quebrantada, nem apagar o pavio que fumega (Mateus 12.19,20), mas justamente por causa daqueles que estão perdidos. Afinal, os sãos não precisam de médico e sim os doentes. 

Será que estamos de fato cumprindo a missão?

-----------------------------------------
Josimar Gabriel da Rocha é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. Formou-se Bacharel em Teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 1993 Foi ordenado pastor em 1995. Trabalhou como missionário no Rio Grande do Sul como plantador da Igreja de Alegrete, RS.
Tecnologia do Blogger.