Pensando com esperança


Quero trazer à memória o que me pode dar esperança - Lamentações 3.21

O pequeno trecho bíblico acima foi escrito pelo profeta Jeremias. Vemos exposto o lado humano do profeta. Um homem que possuía determinadas lembranças que provocavam dentro dele abatimento, desânimo e tristezas. 


De fato, Jeremias foi um homem muito sofrido. E a situação histórica em que viveu era traumatizante. No segundo livro dos Reis, capítulos 24 e 25, temos o contexto que nos permite compreender a frase de Jeremias. Jerusalém havia caído sob longo cerco dos caldeus.

O templo havia sido queimado, além do palácio real e todas as casas de alguma importância. Os invasores demoliram os muros da cidade, levando cativos para a Babilônia os príncipes, os homens valorosos, os carpinteiros e os ferreiros.

Era um cenário de uma desolação indescritível. E Jeremias estava ali, como testemunha do Senhor, vivenciando aquele drama. A cidade de Jerusalém, que sempre foi alvo de tantas promessas divinas, agora estava em ruínas, pela desobediência do povo a Deus. 

Os poemas do livro bíblico Lamentações foram escritos durante e após esses trágicos acontecimentos. Vemos ali, especialmente em Lamentações 3.19 e 20 que o profeta tinha constantemente seu coração perturbado por maus pensamentos, tristezas e angústias. Até o momento que ele fala: quero me lembrar das coisas que me fazem bem, que me tragam esperança. Jeremias lutava contra os pensamentos negativos. 

Creio que nos tempos em que vivemos há muitas coisas que nos desanimam. A política, a injustiça, a corrupção. Isso sem contar os traumas de nosso passado e os erros que em algum momento da vida cometemos. Essas realidades vão invadindo e dominando o nosso pensamento, causando abatimento, desânimo e desesperança. Parece não haver perspectiva de melhora. 

Mas é necessário que aprendamos a lutar contra tais pensamentos. Primeiro, porque são pensamentos torturantes, que fazem mal e tiram a nossa qualidade de vida. Segundo, porque não nos levam a lugar nenhum, ou talvez levem: ao fundo do poço. 

Diante disso devemos pedir o auxílio de Deus em oração, entregando a Ele nossas ansiedades e pedindo que sua paz guarde o nosso coração, conforme ensina a Bíblia:

 Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os seus corações e as suas mentes em Cristo Jesus - Filipenses 4:6-7

A partir desse exercício espiritual, é necessário combater os pensamentos. Afinal, o melhor conselheiro para nossas vidas é o Senhor:

“Bendigo o SENHOR, que me aconselha; pois até durante a noite o meu coração me ensina” – Salmos 16.17

--------------------------------------------------
Andrei de Almeida Barros é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. Em 1998 trabalhou como missionário em Portugal. Formou-se em teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 2003 e ordenado pastor em 2004. Atualmente cursa Licenciatura em História. É fundador e editor do site www.semeandovida.org
Tecnologia do Blogger.