Sociais

Origem do Homem


O homem descende do macaco? Essa pergunta me foi feita por um jovem depois de ter ouvido a afirmação por parte de um professor. Essa afirmação, de que o homem descende do macaco, é muito comum em pessoas menos avisadas sobre a teoria da evolução. 


Para defender essa hipótese - que, por ser hipótese carece de autoridade - afirma ser absurda a ideia de que o homem descende de Adão e Eva. A dificuldade está em que muitas dessas pessoas pensam que Adão e Eva são nomes próprios desde o Gênesis. Ignoram que Adão, do hebraico Hadan, significa Homem e que Eva também do hebraico, Hava, significa Mãe. 

Então que absurdo é admitir que o homem procede de um homem e de uma mãe? Quem não procede? Só posteriormente é que esses dois nomes. Adão e Eva, passaram a figurar nos cartórios como nomes próprios. 

A partir dessa exegese chega-se à conclusão de que o ser humano descende de um homem e de uma mulher, ou mãe da vida. E qual é o ser inteligente que pode afirmar que não descende de um homem e de uma mãe? 

Um grande geneticista brasileiro definiu a evolução como: "mudança na frequência gênica dos cromossomas". É claro, é lógico que o homem evoluiu, mas não foi a evolução que o tornou racional. Houve evolução, mas em capacidade, em conhecimento, nunca em espécie. O homem é que evoluiu. 

Muita gente enfatuada com seus "conhecimentos" de ciências, conhecimentos adquiridos de pseudos-cientistas, preparados em cursinhos de três anos em faculdades, acham muito "charmoso" dizer que o homem descende do macaco, atribuindo a Darwin muita coisa que ele não disse. 

Muitos chegam a afirmar que não há Deus, que o homem é produto da natureza, (e quem teria criado a natureza?). É muito mais racional admitir a existência de um Deus onisciente, onipotente e onipresente que independe de tempo, de espaço e de origem para ser e de cuja existência dependem todos os homens. 

Eu, particularmente, acho até mais cômodo resolver esse problema crendo num criador transcendental do que ficar arranhando essas teorias que nunca convenceram ninguém e jamais convencerão. 

O salmista Davi diz bem: "disse o néscio no seu coração, não há Deus". Entre ficar pensando que o homem descende do macaco e ficar pensando que o homem descende de Deus, é muito melhor esta última colocação. De pensar em Deus o homem pode se "divinizar", mas de pensar em macaco o homem corre o risco de se "macaquizar".

"E criou Deus o homem a sua imagem, à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou". Isso não atende somente à fé, atende também à razão.

Eu não creio em Deus somente num esforço e fé. Creio em Deus também pela razão. Penso, raciocínio e concluo que uma natureza, antes de sua própria existência, jamais poderia ditar leis naturais a que ela mesma estivesse sujeita a obedecer para existir. 

A natureza é algo criado. Essa constatação não é só fruto da fé, é aplicação da razão também. A propósito, lembro-me de um soneto de Bocage - DEUS 

Os milhões de áureos lustres coruscantes 
Que estão da azul abóbada pendendo, 
O sol e a que ilumina o trono horrendo 
Dessa que anima os ávidos amantes.

As vastíssimas ondas arrogantes, 
Serras de espuma contra os céus erguendo, 
A leda fonte, humilde o chão lambendo 
A lourejar as searas flutuantes.

O vil mosquito, a provida formiga, 
A rama chocalheira, o tronco mudo, 
Tudo, que há Deus, a confessar me obriga

E para crer num braço autor de tudo,
Que recompensa os bons, que os maus castiga,
Não só da fé, mas da razão me ajudo.

--------------------------------------------------
Samuel Barbosa é pastor jubilado da Igreja Presbiteriana do Brasil. Formou-se em teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 1960. Posteriormente graduou-se em Letras, Pedagogia, Supervisão Escolar e Especialização em Língua Portuguesa com produtiva carreira acadêmica. Pastoreou as igrejas presbiterianas de Apiaí, Correias e Itararé entre 1961 e 1962. Foi pastor da Igreja Presbiteriana de Itararé durante 32 anos até sua jubilação. Presidiu o Presbitério de Itapetininga por 22 anos e é pastor emérito das Igrejas Presbiterianas de Itararé e Itaberá. 
Google Plus