Casar é muito bom (2)



Continuando o assunto passado, vejamos mais dois inimigos do casamento, dentre outros existentes, que requerem dos cônjuges muita vigilância e oração:


Excesso de independência ou dependência excessiva
Um espírito autônomo, independente, pode ser muito benéfico na vida do casal e da família. O que não pode haver é exagero. Há pessoas super-independentes, que vão derrubando tudo o que encontram pelo caminho, desinteressadas dos outros, envolvidas apenas em alcançar suas metas e objetivos. 

Numa família isto é inadmissível. Sem diálogo, troca de idéias, discussões, é impossível a convivência pacífica e construtiva. Por outro lado o excesso de dependência é um erro terrível e fatal.

Entre o cônjuge o ideal é a medida certa de autonomia e dependência. Somente pelo conhecimento mútuo, o respeito e o amor é que a medida justa desse equilíbrio será alcançada. Veja o exemplo dos pais de Sansão em Juízes 13.

Incapacidade de interferir num problema através do perdão
É sugestivo que no capítulo 18 de Mateus, Jesus trate do assunto do perdão, e logo a seguir venha o ensino sobre a questão do divórcio. Na realidade Mateus pode até então não se ter apercebido da estratégia arrumação que faz dos dois temas: perdão e divórcio. 

Mas de fato o que acontece é isto mesmo: quem não aprende cedo a lição do perdão vai acabar tendo que enfrentar a questão do divórcio no casamento. Sem perdão relação nenhuma a dois sobrevive.

Mas o que é perdão? Perdoar é falar de Deus, da capacidade de oferecer aos outros uma memória apagada, sem registros, sem mágoas e sem tatuagem do ressentimento. 

Perdoar é deixar o outro nascer na nossa própria vida e história, sem a lembrança que fizeram dele um monstro em nossa mente. Perdão é algo que o mundo não ensina.

Perdão é vida, saúde e paz da verdadeira humanidade que se transforma na semelhança de Deus, pois quem não perdoa se deforma. Perdão é falar de Jesus ao mundo agressivo e de facas afiadas, numa terra deteriorada, frágil e caída, carente do verdadeiro perdão de Jesus.

Deus nos ajude, como cônjuges, a enfrentarmos corajosamente esses e outros inimigos de um relacionamento saudável e maturo que deve ser o casamento, um projeto de parceria de Deus para o homem e mulher.

(Adaptação do livro “O que Deus Uniu”.)

-----------------------------------------
Gilberto Bueno Filho, é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. Formado em Teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 2001. Pós-Graduação em Ética, Cidadania e Subjetividade pela Escola Superior de Teologia em 2007. É fundador e editor do blog familiafariabueno.
Tecnologia do Blogger.