Quando fazer o bem?


Há muita gente que não sabe o que está fazendo neste mundo. Não conseguiram ainda descobrir sua verdadeira razão de existência. Essa descoberta do objetivo de vida depende do conceito que o indivíduo tenha de seu relacionamento com Deus, da dependência criatura x Criador. 


Quem pensa que está no mundo por acaso, vive por acaso, dependendo sempre dos caprichos do acaso. Ficam à disposição de um destino cego e se acomodam a reagir como um autômato ante os acontecimentos da vida, sem nada fazer para alterar o negativo da existência.

Há dias um rapaz, que foi meu aluno em tempos passados, me fez parar na rua e me cumprimentou. Depois de me contar o que aconteceu com ele após fazer o colegial - é engenheiro civil - me perguntou se eu ainda continuava falando do evangelho. 

Quis saber se eu ainda era pastor. Num determinado momento me perguntou: - professor, quando é que eu sei quando devo fazer uma coisa que eu esteja pensando em fazer?

Que pergunta mais esquisita, pensei de imediato, mas logo percebi que era uma pergunta de alta objetividade. Como a pergunta foi feita assim de repente, a resposta me ocorreu também de repente. 

Eu disse que quando ele pensa em fazer alguma coisa, que seja sempre no sentido de coisa útil e de coisa necessária, pois o que é útil e necessário é bom. E para você saber se o que você está imaginando fazer é útil ou necessário, você deve se fazer três perguntas: 

Primeiro - o que eu ganho com isso? Pode haver um ganho material, como um negócio ou pode haver um ganho íntimo como bem-estar interior, paz de espírito pela consciência de ter praticado o bem. 

Depois de responder a primeira pergunta faça uma segunda pergunta: O que o meu próximo ganha com isso? 

Se a resposta for de que há benefício para o próximo ou pelo menos que não há prejuízo para ele, faça a terceira pergunta: Será que Deus aprova o que eu estou pensando fazer? 

Se as três respostas forem positivas - todos ganham, ninguém tem prejuízo e Deus aprova, então faça o que está pensando em fazer e tenho certeza de que até Deus lhe dará uma mãozinha na realização do idealizado.

O apóstolo Tiago nos adverte: "aquele que sabe fazer o bem e o não faz, comete pecado". Você é inteligente. Você sabe o que é bem e o que é mal; o que é bom e o que é mau. Isso já facilita a sua decisão. 

Viva uma vida de satisfação íntima pela certeza de que tudo que você faz é bom, para você, para o "outro" e é aprovado por Deus. Não deixe que nenhum empecilho atrapalhe a sua vida. Se você perceber que sua própria sombra o atrapalha, livre-se dela caminhando em direção à luz. 

Não se esqueça de que Jesus disse: "Eu sou a luz do mundo, quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida". Essa luz promete estar sempre com você: "Eu estarei convosco sempre até a consumação dos séculos" (João 8:12,20). 

Se você desejar essa companhia e sentir sempre a presença dessa luz, em sua vida, você não precisará de vela nem depois de morto, mesmo porque Jesus Cristo afirmou a seu respeito: "vós sois a luz do mundo". 

Não luz própria, mas luz refletida como a da lua quando recebe a luz do sol. Com essa experiência você verificará que tudo que pensar em fazer vai ter respostas positivas às três perguntas que lhe propus fazer.

--------------------------------------------------
Samuel Barbosa é pastor jubilado da Igreja Presbiteriana do Brasil. Formou-se em teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 1960. Posteriormente graduou-se em Letras, Pedagogia, Supervisão Escolar e Especialização em Língua Portuguesa com produtiva carreira acadêmica. Pastoreou as igrejas presbiterianas de Apiaí, Correias e Itararé entre 1961 e 1962. Foi pastor da Igreja Presbiteriana de Itararé durante 32 anos até sua jubilação. Presidiu o Presbitério de Itapetininga por 22 anos e é pastor emérito das Igrejas Presbiterianas de Itararé e Itaberá. 
Tecnologia do Blogger.