Para que existe a Igreja?


Eis aí uma pergunta que dá o que pensar. Será que a Igreja existe apenas como um clube ou uma instituição de caridade ou de assistência social? Ou então como uma instituição repressiva contra os erros humanos? Não!


A Igreja existe para congregar aqueles que, por sua livre e espontânea vontade, decidiram filiar-se a ela através da aceitação de suas diretrizes e de suas normas. A Igreja cristã existe para congregar aqueles que se propuserem a viver segundo os princípios do evangelho, providenciando aos fiéis, meios para que todos se sintam bem orientados e bem preparados para viverem em sociedade. 

Cremos que para a Igreja cumprir com maior eficiência a sua missão é necessário que as pessoas atendam os apelos que ela faz por todos os meios, a todos os homens para que aceitem as lições do evangelho, os conselhos de Cristo para a vida.

Mas esse trabalho a Igreja realiza sem imposições. Cada pessoa tem que decidir-se por si. A Igreja não impõe nada a ninguém. O próprio Cristo colocava o problema em termos de escolha: "Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me". 

De modo que quando se ouve que alguém roubou, matou, delinquiu, esse alguém fez isso, mas não ensinado pela Igreja. A Igreja que ensina o evangelho não pode ensinar o crime, os vícios. Não é culpa da Igreja a existência dos criminosos, dos viciados. O papel da Igreja é de orientar, aconselhar, dirigir e isso ela tem feito.

Não se pode dizer simplesmente que a Igreja está falhando ou que não está cooperando com as autoridades no combate ao crime. Não se pode dizer que ela tem se omitido. Infelizmente temos de convir que apesar de todo o esforço da igreja, ainda há crimes, ainda há vícios. Mas imaginem as autoridades o que seria desta sociedade sem a ação da Igreja. 

A Igreja faz o que pode, mas pode muito pouco, enquanto considerada pelo seu lado humano, contra as forças do mal. A Igreja luta com dificuldades para fazer o que pode. Mas o mal nem luta nem tem dificuldade para se fazer presente. 

Encontrar alguém que se disponha a levar a mensagem do bem é muito difícil, pois isso parece "careta" que é como dizem os jovens de hoje. Os divulgadores do vício em todas as suas manifestações estão aí aos montes, não só nas ruas, mas no cinema, na televisão, nos jornais. Que dizer desses sofisticados comerciais que induzem o indivíduo a se tornar um dependente do vício, tabagismo, alcoolismo, etc? 

E depois vêm reclamar que a Igreja não coopera? Qual o criminoso que já confessou que aprendeu o crime numa igreja? Qual a igreja que ensina os seus fiéis a matar ou a roubar?

Só que ela não pode fazer e dar uma estrela de xerife aos padres ou aos pastores e mandá-los sair por aí a caçar bandidos, pois nesse caso ela estaria invadindo terreno alheio e exorbitando de suas atribuições que são preventivas e não repressivas. 

O papel da Igreja é, pois levar a mensagem do evangelho a quem ainda nunca ouviu falar de Jesus Cristo. Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda a criatura. Para isso é que existe a Igreja.

--------------------------------------------------
Samuel Barbosa é pastor jubilado da Igreja Presbiteriana do Brasil. Formou-se em teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 1960. Posteriormente graduou-se em Letras, Pedagogia, Supervisão Escolar e Especialização em Língua Portuguesa com produtiva carreira acadêmica. Pastoreou as igrejas presbiterianas de Apiaí, Correias e Itararé entre 1961 e 1962. Foi pastor da Igreja Presbiteriana de Itararé durante 32 anos até sua jubilação. Presidiu o Presbitério de Itapetininga por 22 anos e é pastor emérito das Igrejas Presbiterianas de Itararé e Itaberá. 
Tecnologia do Blogger.