Sociais

O sustento da obra


E como pregarão se não forem enviados? - Romanos 10.15a
Trazei todos os dízimos à casa do Tesouro, para que haja mantimento na minha casa - Malaquias 3.10


Certo dia um amigo desabafou um drama que vivenciava. Disse ele que fazia um mês e meio que não recebia o pagamento pelo seu serviço. No final das contas parou deixou o serviço e o seu ex-patrão não lhe pagou o que era justo pelo trabalho pesado que realizara.

Imagine a tristeza deste meu amigo, saber que cumpriu com todas suas obrigações como empregado, trabalhou e suou muito, mas pela falta de caráter de seu ex-patrão, nunca veria a "cor do dinheiro". Este dinheiro era para ser dele por direito, não pertencia mais ao homem que o contratou. 

Agora coloque-se no lugar do meu amigo. O que você sentiria se alguém retivesse o dinheiro que é seu por direito? Nada contente, não é mesmo?

Existe alguém que também não fica nem um pouco contente com aqueles que retém o lhe pertence. Quem é esse alguém? É Deus. E porque não devemos reter o que lhe é devido?

1 – O DÍZIMO PERTENCE A DEUS
A palavra dízimo significa "a décima parte". Ou seja, pra saber quanto devo entregar ao Senhor é só dividir meu salário por dez, o resultado será o valor do dízimo. Portanto, não existe dízimo de maior valor ou menor que 10%.

O dízimo não é uma invenção moderna de algumas igrejas, apesar de ser erroneamente o "carro chefe" de muitas delas, transformando-se num meio de exploração do povo.

O princípio do dízimo é antigo. Em Malaquias 3.7 o Senhor diz: “desde os dias de vossos pais vos desviastes dos meus estatutos e não os guardastes...”. Isso indica que o estatuto da entrega do dízimo já era antigo e a infidelidade do povo também.

A primeira vez que a palavra “dízimo” apareceu foi em Gênesis 14.20: “De tudo lhe deu Abraão o dízimo”. Mais à frente, em Gênesis 28.22 temos o voto de Jacó: "...de tudo quanto me concederes, certamente eu te darei o dízimo." Quem é citado em Malaquias 3.6? Justamente Jacó.

Ainda em Levítico 27.30, lemos: “...todas as dízimas da terra, tanto dos cereais do campo como dos frutos das árvores, são do Senhor santas são ao Senhor”.

Agora chegamos ao nosso ponto, de quem são as dízimas segundo este verso? - “são do Senhor, santas são ao Senhor" - ou seja são separadas ao Senhor.

Diante disso é que reafirmamos, devemos entregar o dízimo, pois pertence a Deus.

2 – O DÍZIMO É SUSTENTO PARA A OBRA
O texto ensina que o dízimo deve ser levado à casa do Tesouro, ou seja ao depósito do Templo, para que que haja mantimento na casa de quem? Não é na nossa casa, é na casa de Deus! É o Senhor quem fala no texto, é Ele que diz: “para que haja mantimento na minha casa”.

Mas Deus precisa comer? Precisaria Ele se alimentar? Teria ele alguma necessidade?

Deus é autossuficiente, não depende de nada que o ser humano possa oferecer. Note portanto que o dízimo é ligado ao Templo, à Igreja. Pois o espaço físico da Igreja, este sim depende do nosso dízimo. Há muitos obreiros que nele atuam que também são sustentados pela igreja.

É dos ateus, incrédulos e ímpios essa incumbência de sustentar a obra? Entrarão eles em nossas igrejas e farão com amor a obrigação que cabe a nós? Não.

A responsabilidade de sustento da obra é nossa, de cada cristão!

No Antigo Testamento havia toda uma estrutura sacerdotal sustentada pelo dízimo. Em Números 18. 21 lemos: “Aos filhos de Levi dei todos os dízimos em Israel por herança, pelo serviço que prestam, serviço da tenda da Congregação”.

Qual era o serviço dos Levitas?

Existiam Levitas-sacerdotes (no caso Arão e seus descendentes, bem como os descendentes de Levi), outros que prestavam serviços como de auxiliares dos sacerdotes, porteiros do Santuário, guardas e outros que formavam um coro de cantores no templo.

Todos eles eram sustentados pelo dízimo segundo o que Deus determinou.

Trazendo para o nosso contexto, temos hoje pastores, evangelistas, missionários e seminaristas que precisam ser sustentados pela Igreja. Com um detalhe: uma das poucas Igrejas que ainda possui Ministros de Música sustentados por ela mesma é a Igreja Batista, o que mantém uma tradição de qualidade musical.

Muitas igrejas hoje estão fechando campos missionários, ou mesmo diminuindo o envio de recursos por falta de dinheiro. O mesmo pode acontecer com a sua igreja se não houver fidelidade nos dízimos.

Em Iperó, onde eu fui seminarista no ano 2000, aconteceu um caso assim. O antigo templo da Igreja Presbiteriana, que ficava bem no centro da cidade, foi fechado e vendido. Na época que eu era seminarista ele acomodava um boteco.

Graças a Deus os trabalhos reiniciaram e os cristãos daquela localidade construíram uma nova Igreja Presbiteriana na periferia.

Qual o destino desejamos para nossa Igreja? Que feche, que não tenha dinheiro para sustentar pastor, que nunca faça nada de impactante pela cidade? Se queremos uma igreja forte, precisamos entregar o dízimo, pois é sustento da obra de Deus.

3 – O DÍZIMO É GARANTIA DE BÊNÇÃOS E FELICIDADE
...e provai-me nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós bênção sem medida. - Malaquias 3:10b

Vemos nestes versos que Deus nos desafia a testá-lo. Isso significa que a fidelidade a Deus é garantia de bênçãos e felicidade.

Há pessoas que possuem um bom salário, mas levam uma vida miserável, sempre endividados, sempre sem dinheiro. Enquanto isso outros mal remunerados se encontram em situação bem melhor.

Qual é o diferencial? A própria Palavra de Deus responde:

Tendes semeado muito, e recolhido pouco; comeis, mas não vos fartais; bebeis, mas não vos saciais; vestis-vos, mas ninguém se aquece; e o que recebe salário, recebe-o para o meter num saco furado - Ageu 1.6.

Por que o profeta Ageu disse isso ao povo? Porque eles estavam preocupados apenas consigo mesmos, morando em boas casas e negligenciando a reconstrução do templo que estava em ruínas.

Melhor é o pouco com justiça, do que grandes rendas com injustiça - Provérbios 16. 8.

Se nos mantivermos fiéis a Deus, de modo algum colocaremos nossos salários num saco furado como o Povo de Israel. Pelo contrário seremos abençoados e felizes. Lembremos de Ml 3. 9, já quem não entrega o dízimo está roubando a Deus e por isso é amaldiçoado.

Conclusão
Não é meu papel o de julgar a ninguém aqui, nem julgo necessário constranger alguém. A própria consciência de cada um se encarregará disso, juntamente com o Espírito Santo de Deus que habita nos predestinados, eleitos, chamados e salvos em Cristo Jesus.

Que o Senhor venha quebrantar nossos corações tirando qualquer entrave que impeça nossa fidelidade a Ele. Queremos a bênção do Senhor? E a obra do Senhor, o que desejamos pra ela?

Sejamos fiéis!!!
--------------------------------------------------
Danilo Cassemiro de Campos é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. Formado em Teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 2010. Ordenado em 2011. Bacharel em Design (Projeto do Produto) pela Faculdade Asseta de Tatuí (2008), além de Técnico em Processamento de Dados e Hardware (1998 e 2002). É fundador e editor do site www.maravilhosagraca.org
Google Plus