O Rei de quem não fizeram caso


João 12.12-19 e também: Mt 21.1-11; Mc 11.1-11; Lc 19.28-40

A Entrada Triunfal de Jesus em Jerusalém dá cumprimento à profecia de Malaquias 9.9:

“Alegra-te muito, ó filha de Sião; exulta, ó filha de Jerusalém: eis aí te vem o teu Rei, justo e salvador, humilde, montado em jumento, num jumentinho, cria de jumenta” falando-nos que o humilde rei Jesus entraria em Jerusalém.

No entanto, o que significa para o mundo hodierno esta maravilhosa entrada do Senhor na Cidade Santa? O que os judeus da época entenderam dela? E o que os seres humanos entendem hoje, se é que se lembram ou conhecem esse evento?

Isaías 53.1,3 fez esta pergunta: “Quem creu em nossa pregação?" e afirmou, tristemente, sobre o que fariam com o nosso Senhor: “Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer; e, como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dele não fizeram caso”.

Os seres humanos fizeram a coisa mais vexatória e pagarão por isso pelo fato de não terem feito caso do Rei Jesus em várias situações:

1 - NÃO FIZERAM CASO DO SEU NASCIMENTO QUANDO FORAM AVISADOS PELOS MAGOS DO ORIENTE

Mateus 2.1-12

A chegada dos magos em Jerusalém à procura do recém-nascido rei dos judeus, causou:

a) Grande preocupação no rei Herodes que ficou com medo de perder o trono;
b) Muita curiosidade nos escribas que foram examinar as escrituras;
c) Total desinteresse no povo que estava mais preocupado com os bens mundanos do que com a vida espiritual. O Senhor Jesus, pela primeira vez foi relegado e o povo perde a grande oportunidade.

2 - NÃO FIZERAM CASO QUANDO, PESSOALMENTE, ELE ENTROU NA CIDADE DE JERUSALÉM

Mateus 21.1-11

A entrada de Jesus em Jerusalém num período em que as multidões afluíam de todas as partes do mundo teve o olhar de três distintos grupos:

a) Dos curiosos. Aqueles que gostam apenas de ver a sensação do momento mas não querem nenhum compromisso com a fé.
b) Dos críticos. Aqueles que são movidos por uma inveja tremenda e pela cabeça não passa outra coisa a não ser enxovalhar, criticar, destruir, matar.
c) Dos Descartadores. São aqueles que aproveitam dos benefícios e logo descartam.
d) Dos Fiéis. Aqueles que reconhecem a suprema divindade de Jesus. Daqueles que viram a Sua glória como a do Unigênito do Pai. Aqueles que diziam: “Para onde iremos nós? Só tu tens palavras de vida eterna.” 

Estes estenderam suas vestes para Ele passar. Estes colocaram ramos para adornar o caminho do Rei. São estes que continuam em nossos dias, não estendendo ramos e túnicas, mas estendendo-se a si mesmos como oferta viva. Que entregam seu corpo, pensamentos, sentimentos, desejos, e até a própria vida ao grande Rei e Senhor Absoluto do Universo.

3 - MAS HAVERÁ UM DIA QUANDO ELE NÃO FARÁ CASO DOS QUE POUCO CASO FIZERAM DELE

Apocalipse 19.11-21

Paulo diz que haverá um dia em que todos, indistintamente, estarão diante do trono de Deus para o julgamento. Naquele dia:

a) Os que O desprezaram, como foi o caso no seu nascimento e durante o seu ministério; b) Os que O traíram, como foi o caso de Judas;

c) Os que O prenderam e julgaram, como foi o caso dos saduceus, sacerdotes e príncipes do povo; d) Os que O condenaram, como foi o caso de Pôncio Pilatos,

e) Os que O traspassaram, os soldados; e,

f) Os que continuam desprezando a mensagem da cruz não reconhecendo-O como Senhor e Redentor dos pecadores e que, portanto, não fazem caso dEle. Todos estes terão uma grande surpresa, pelo fato de não terem reconhecido o Seu Senhorio sobre todo o universo e toda a humanidade.

Aí farão caso, mas a Justiça e o Juízo Divino prevalecerão naquele Dia de Ira.

Conclusão
Concluímos com as palavras de Isaías e de João 1.12-13: “Dele não fizeram caso.” "Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber: aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas, de Deus.”

------------------------------------
Antonio Coine é Pastor Emérito da Igreja Presbiteriana Monte Sião (Botucatu), atuando como ministro há 40 anos na Igreja Presbiteriana do Brasil. Formado em Teologia pela Faculdade de Teologia da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil - SP. Licenciado em Filosofia. Mestre em Divindade e Doutor em Ministério pelo Seminário do Canadá em Manitoba/CA. Foi pastor da Igreja Presbiteriana do Canadá e missionário dessa denominação entre os povos de Língua Portuguesa, quando plantou a Igreja Presbiteriana de Língua Portuguesa do Presbitério West Toronto, IPC que foi organizada em outubro de 1988. É autor do livro "Das Sagradas Escrituras - Uma coletânea de esboços de sermões para um ano litúrgico - Vol. 1".

Tecnologia do Blogger.