As Bem-Aventuranças (7) - Os Pacificadores

Hino 162 - A Voz de Deus


Quando a tempestade ruge
Com o seu feroz bramir,
Quando as nuvens se acumulam,
Raios mil a despedir,
Do trovão o som tremendo
Faz-se ouvir e com pavor!
Mas por sobre a tempestade
Soa tua voz, Senhor.

Eis que ouvimos tua voz,
A animar os que andam sós
E em ti sempre confiados,
Vão por ti sempre a lutar,
Nesta vida tormentosa,
Qual fragor do vasto mar.

Quando o mar vem, mansamente,
Sobre a areia se espraiar,
Quando a brisa sussurrante
Calmamente perpassar,
Soa a mística harmonia,
Ouve-se um feliz rumor;
Desse coro, docemente,
Vem a tua voz, Senhor!

Quando o coração aflito
Quer à dor, ao mal fugir,
E se agita luta e ruge,
Sem descanso e paz sentir,
Qual um som que se repete
Nas quebradas a rolar,
Ao aflito e contristado
Tua voz vem consolar.

Comentários