A eleição (1)


Por Rev. Carlos Eduardo Pereira de Souza

Certamente a doutrina da eleição (ou predestinação) é um dos assuntos bíblicos mais controversos, e por isso tem gerado muita discussão no decurso da história. Nesta breve reflexão, nosso objetivo é apresentar textos das escrituras que comprovam essa doutrina.


1. O ensino no Antigo Testamento 
Essa doutrina pode ser visualizada em Noé, uma vez que ele foi alvo da misericórdia de Deus porque, juntamente com sua família, foi libertado das águas do dilúvio. Embora fosse homem justo e íntegro entre seus contemporâneos, era um pecador - portanto, merecedor da ira de Deus (Gn 6).

Isso fica mais evidente em Abraão - era de uma terra idólatra mas, apesar disso, Deus o escolheu para que a partir dele fosse constituído um povo seu (Gn 12). Finalmente, Israel, diversas vezes, é mencionado como povo de Deus, escolhido, e conceitos semelhantes (Is 43.21; Is 41.8,9; Ez 20.5; Am 3.2).

2. O ensino no Novo Testamento
Diversas passagens ensinam com clareza a doutrina da eleição. Quando Paulo e Barnabé pregaram para os gentios, Lucas registrou: “Os gentios, ouvindo isto, regozijavam-se e glorificavam a palavra do Senhor, e creram todos os que haviam sido destinados para a vida eterna” (At 13.48). 

Ao se referir a Jacó e Esaú, onde Deus amou a Jacó ainda no ventre materno (Gn 25.23), Paulo afirma que isso não aconteceu por mérito de Jacó, mas para que o propósito de eleição de Deus ocorresse tal como fora determinado (Rm 9.11-13). 

Em Efésios, Paulo afirma que fomos escolhidos em Cristo antes da fundação do mundo (Ef 1.4-6). Pedro, por seu turno, chama a igreja de “raça eleita” (1 Pe 2.9). Tito fala que Cristo morreu para perdoar de toda iniquidade um povo exclusivamente para Deus (Tt 2.14).

Conclusão
Embora seja alvo de discussões, é impossível não vislumbrar a doutrina da eleição na Escritura. Essa doutrina é vista em Noé e Abraão, passa por Israel e encontra sua plenitude na igreja. 

Que a entendamos como obra tanto da soberania de Deus quanto de Seu amor, uma vez que, na qualidade de pecadores, todos mereciam o inferno. Todavia o Senhor, a fim de mostrar sua misericórdia, escolheu alguns para que não fossem objetos de sua ira (Rm 9.22-23).

ÍNDICE
A eleição (1) - O ensino no Antigo e Novo Testamento
A eleição (2) - Consolo, louvor e evangelização
A eleição (3) - Concepções equivocadas

Tecnologia do Blogger.