Sociais

Esperança em tempo de crise


Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas sejam arrebatadas do aprisco, e nos currais não haja gado, todavia, eu me alegro no SENHOR, exulto no Deus da minha salvação - Habacuque 3:17-18

Os tempos são de crise. Essa e uma situação presente em nossa vida material, familiar, profissional, individual, coletiva, emocional, existencial e espiritual. Mas como proceder nesses, momentos aflitivos? Qual deve ser a conduta de um cristão autêntico?



Estar confiante e alegre, quando tudo vai bem é fácil. Porém, e quando tudo parece dar errado, quando atravessamos uma profunda crise? Aqui está o verdadeiro desafio!

Vejamos brevemente a experiência do profeta Habacuque neste sentido. Ele foi capaz de declarar e tomar algumas importantes posturas frente às crises. 

1 - Uma declaração de confiança em tempos de crise
Habacuque enfrentou momentos de muitas adversidades. O povo vivia da agricultura, e tudo havia sido destruído, a cidade transformou-se em um deserto (vs 17). Até o plano de Deus não estava sendo entendido corretamente. Porém, ele apresenta uma declaração de confiança total em Deus.

É importante perceber que o termo ”todavia” quebra a expectativa de tragédia que o profeta vinha descrevendo e coloca a confiança em Deus. Seria como se tudo na cidade e no campo se acabasse, mas ainda assim a esperança se mantivesse no Senhor.

Essa convicção, também foi demonstrada pelo rei Ezequias, que em meio a problemas religiosos, tendo de tomar medidas sérias e impopulares, revelou total confiança no Senhor (II Reis 18.5).

Outro exemplo é de Jó, que sofreu tanto, mas demonstrou confiança no Senhor, não pecando contra o seu Deus (Jó2.10;19)

2 - Uma declaração de alegria em tempos de crise
O profeta Habacuque canta, em tempos de crise (vs 18). É um hino que parte de um coração marcado pela dor, e sente que os tempos são difíceis.

Nestas horas de aflições é que o povo de Deus mais deve adorar. O ensino, aqui, é no sentido de se regozijar no Senhor, venha o que vier. Isso aconteceu com os cristãos torturados e mortos pelo Império Romano, nas arenas e prisões. Paulo e Silas acorrentados, na prisão, cantaram louvores a Deus. (At. 16.25).

Jesus nos orienta da necessidade de nos alegrarmos nos momentos difíceis. (Mt 5.11,12). 



3 - Uma declaração de vitória em tempos de crise
A confiança e a alegria demonstradas por Habacuque eram reflexos da certeza absoluta (e não apenas uma convicção) da vitória que Deus concede.

Para o cristão, a crise espiritual é a mais dramática. Começamos a olhar para o tamanho do problema, e deixamos de olhar para Deus. Agimos como se tudo estivesse consumado, acabado. Cometemos o erro de conceder ao inimigo a possibilidade de colocar muitos empecilhos na obra que Deus quer fazer na nossa vida, na do nosso próximo e da igreja!

Não sabemos o que vai acontecer, mas devemos esperar o sobrenatural de Deus, atuando com alegria, convictos plenamente de que Deus suprirá as nossa necessidades. É essa a convicção de vitória que impulsiona o cristão a viver nos dias atuais. Até porque, se olharmos em volta, veremos a dura e complicada realidade que cada um de nós enfrenta; é como visualizar aquilo que Habacuque viu: escassez, crises e adversidades.

Há uma certeza e uma esperança na pessoa de Deus e em suas promessas. Só Ele pode resolver e solucionar os problemas cotidianos. Nossa esperança precisa residir unicamente no Senhor. Sua misericórdia nos alcança. Não importa qual a crise que esteja enfrentando hoje, acredite que o Senhor irá sustentá-lo e lhe conduzir para a vitória. Lembre-se que nada pode nos separar do amor de Deus (Rm 8.37-39) 

Para pensar
Você está passando alguma crise? Como está enfrentando? Com confiança, alegria, certo da vitória em Deus?

-----------------------------------------
Josimar Gabriel da Rocha é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. Formou-se Bacharel em Teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 1993 Foi ordenado pastor em 1995. Trabalhou como missionário no Rio Grande do Sul como plantador da Igreja de Alegrete, RS.
Google Plus