Pão do céu


Leitura Bíblica: Êxodo 16.1-4
Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia (1Co 4.16).

O povo de Israel, em sua caminhada pelo deserto rumo a Canaã, ficou conhecido pela sua murmuração. Uma destas reclamações pode ser vista em nosso texto base. “Nos trouxestes a este deserto, para matardes de fome toda essa multidão” (Êx 16.3b).

Podemos ver que eles não eram nem um pouco agradecidos. Deviam lembrar que Deus não iria tirá-los do Egito para abandoná-los. 

Deviam ter confiado em Deus e ter a percepção que a situação deles era muito melhor do que era antes. 

Mas, mesmo assim, Deus foi muito paciente e misericordioso com eles. Neste caso, Deus disse a Moisés: “Eu lhes farei chover pão do céu. O povo sairá e recolherá diariamente a porção necessária para aquele dia” (Êx 16.4). 

Que bênção maravilhosa! De manhã um orvalho cobria o acampamento. Quando o orvalho evaporava, algo semelhante a escamas, fino como geada, permanecia sobre a terra. 

O pão que desceu do céu. O maná, o alimento que tanto necessitavam.

Quero chamar nossa atenção para o fato de que o maná não deveria ser guardado para o outro dia. Cada família deveria pegar somente o necessário para o consumo diário. 

A revista Expressão da Editora Cultura Cristã, em sua lição Milagres e Murmurações diz sobre isso: 

Deus queria que Israel aprendesse a viver um dia de cada vez. Israel tinha de aprender a descansar em Deus. Assim não apenas comeria o maná, mas também provaria a bondade de Deus expressa nele. O mesmo acontece hoje. O maná espiritual tem de ser colhido todas as manhãs. Temos que buscar nosso sustento em Cristo todos os dias.

Cristo é o pão que desceu do céu. Mesmo depois de nossa conversão precisamos nos alimentar diariamente da Palavra de Deus. 

Devemos buscar a Deus todos os dias. Diariamente Deus tem algo especial a nos ensinar, muito a nos falar. No lugar do desânimo ou murmuração, podemos desfrutar da alegria da presença de Deus.

Jesus, nosso pão diário.

Comentários