Afaste-se do mal


Leitura Bíblica: 1 Pedro 5.8-9
Pois em ti, SENHOR Deus, estão fitos os meus olhos: em ti confio; não desampares a minha alma (Sl 141.8).

Devemos vigiar e orar constantemente para não cair em tentações. Mateus 26.41 diz isso, diz também que a carne é fraca. 

O ser humano tende a viver de forma mundana, conforme os desejos da carne. Precisamos vigiar nossos olhos, colocar guardas em nossa imaginação.

Joel Beeke, em seu livro Lutando Contra Satanás, diz: 

Um dos maiores perigos do mundanismo hoje vem através de nossos olhos. Milhões de pessoas são envolvidas na pornografia da Internet. Outras pessoas acham que não tem nada a ver gastar inúmeras horas assistindo programas de televisão que nada edificam. Não podemos flertar com o pecado.

Para ilustrar este pensamento veja esta história: Um homem vivia no topo da montanha e queria contratar alguém para levar sua filha para a escola todo dia, para cima e para baixo das estreitas estradas da montanha. 

Entrevistou candidatos, perguntando a cada um: “Quão perto você consegue chegar da beirada sem cair no precipício?” 

O primeiro homem disse: “Consigo chegar quinze centímetros da margem sem cair na vala”. O segundo disse: “Posso chegar a uns dez centímetros da margem”. O terceiro disse que conseguia chegar a dois centímetros sem cair. 

Mas o quarto candidato disse: “Quanto mais perto eu estivesse da beirada, mais estaria me achegando ao outro lado. Eu escolho me manter o mais longe possível da beirada”. 

Dá para saber quem conseguiu o emprego.

Mais importante do que ser forte, mantendo-se no limite da fronteira entre o que é lícito ou não, é nos distanciarmos cada vez mais do que pode causar o nosso mal. 

Devemos reconhecer o perigo da tentação e nos manter cada vez mais longe do precipício. Precisamos resistir, fugir, nos afastar do inimigo e não tentar dialogar com ele. 

Sede sóbrios e vigilantes. “O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar; resisti-lhe firmes na fé” (1Pe 5.8-9a).

Fuja do mundanismo.

Comentários