As Bem-Aventuranças (7) - Os Pacificadores

O rei e o falcão


O homem paciente dá prova de grande entendimento, mas o precipitado revela insensatez (Pv 14.29).

Conta-se que certa manhã um rei muito famoso saiu de casa a fim de passar o dia caçando na floresta. O rei levava ao punho seu falcão, treinado para a caça. O dia inteiro passou a cavalgar pela floresta. Não encontrou a caça que esperava. 

De tarde decidiu voltar. O dia fora quente e o rei tinha sede. E para sua alegria, avistou um pouco de água escorrendo pela beira de uma pedra. O rei apeou da montaria. Tirou do embornal um cálice de prata. Começou a aparar as gotas que caíam lentamente da pedra. 

Finalmente, estava quase cheio. Levou-o aos lábios e estava prestes a sorver o primeiro gole. De repente, um zunido cruzou os ares e o cálice foi derrubado de suas mãos. A água derramou-se toda. O rei procurou ver quem fizera aquilo. Fora seu falcão amestrado. 

Mais uma vez, o rei encheu o cálice. Porém, antes de levá-lo à boca, sacou da espada. O falcão mergulhou e derrubou-lhe das mãos o cálice. Mas o rei já esperava por isso. De um golpe, acertou o pássaro em pleno voo. 

Ao procurar o cálice, encontrou-o caído entre duas pedras, onde não conseguia alcançar. Ele então pôs-se a galgar a parede íngreme da rocha para chegar até o lugar de onde a água escorria. Por fim, atingiu o local. 

E havia, de fato, uma nascente; mas dentro da poça, havia uma enorme serpente morta, e das mais venenosas. O rei parou. Esqueceu-se da sede. 

Pensou apenas no pobre pássaro morto ali no chão. - O falcão salvou-me a vida! - gritou. - E o que fiz em troca? Era meu melhor amigo, e eu o matei. Aprendi hoje uma triste lição, que é nunca fazer coisa alguma com raiva. 

Além de ser uma lição sobre como não agir com raiva, é uma lição sobre o agir precipitadamente. Tomamos decisões precipitadas quando não refletimos bem antes de agir, quando agimos sem ouvir o conselho de amigos e quando achamos que quem não pensa igual a nós não merece nossa consideração.

Não é bom agir sem refletir.

Comentários