Intenção e Confiança



E é por intermédio de Cristo que temos tal confiança em Deus (2Co 3.4). 

Um homem sentado na calçada tinha uma placa que dizia assim: “Vejam como sou feliz! Sou um homem próspero, sou saudável e bem-humorado”. Alguns o olhavam intrigados, outros o achavam doido e outros até davam-lhe dinheiro. 

Numa bela manhã, um importante e arrojado executivo, aproximou-se e lhe disse: Você é muito criativo! Não gostaria de colaborar numa campanha da empresa? Vamos lá - respondeu o mendigo.

Daí para frente sua vida foi uma sequência de sucessos e a certo tempo ele tornou-se um dos sócios majoritários. 

Numa entrevista coletiva à imprensa, ele contou como progrediu: Bem, houve época em que eu costumava me sentar nas calçadas com uma placa ao lado, que dizia: “Sou um nada neste mundo! Ninguém me ajuda! Não tenho onde morar!” 

As coisas iam de mal a pior quando, certa noite, achei um livro e nele atentei para um trecho que dizia: “Tudo que você fala a seu respeito vai se reforçando. Por pior que esteja a sua vida, diga boas coisas”. 


Aquilo me tocou profundamente e decidi trocar os dizeres da placa. Uma repórter, ironicamente, questionou: O senhor está querendo dizer que algumas palavras escritas numa simples placa modificaram a sua vida? Respondeu o homem: Claro que não, primeiro eu tive que acreditar nelas! 

Quando tudo não vai bem, a primeira coisa que vem a nossa mente é levantar placas de reclamação, contar os problemas e deixar-se levar pelo desânimo. Começamos a perder a fé, passando a pensar que as coisas não podem melhorar. 

Esta história me chamou a atenção pelas palavras finais do ex-mendigo: “Eu tive que acreditar". As placas com dizeres positivos, pensamentos positivos e gritos de guerra são importantes. 

Mas, além deles, precisamos nos empenhar mais, sair da comodidade e vencer o desânimo. E sempre, mais do que confiar em nós mesmos, devemos crer no poder da transformação que Deus opera em nossas vidas. 

Confiar e agir.

Comentários