A volta de Cristo



Por mais claras que sejam as passagens bíblicas a respeito da volta de Cristo, não é difícil nos depararmos com ideias que se opõem às verdades bíblicas. 

Vez ou outra ouvimos falar de pessoas que predizem o dia e a hora da volta de Jesus, como já fizeram os testemunhas de Jeová. 

Há ainda aqueles para os quais o retorno de Cristo será apenas espiritual e não físico. Por causa disso, na presente meditação, abordaremos rapidamente algumas verdades fundamentais sobre a volta de Nosso Senhor.

Vejamos:



1. Será corpórea

Na ascensão de Cristo aos céus, dois anjos disseram aos discípulos: “Esse Jesus que dentre vós foi assunto ao céu virá do modo como o vistes subir” (At 1.11). O caráter súbito do retorno de Jesus, bem como o fato de que ele virá corporalmente, é um ensino que por diversas vezes é mencionado no Novo Testamento. 

Apenas essa passagem nos serve como exemplo de que não temos margem para crer que será uma vinda espiritual para habitar no coração das pessoas; pelo contrário, será corpórea, “do modo como o vistes subir”.


2. Será súbita

Há textos que são claros quanto a nossa ignorância sobre o exato momento do retorno de Cristo. Por exemplo, em Mateus 25.13, Jesus adverte: “Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora”. Além disso, Jesus é categórico ao afirmar: “Mas a respeito daquele dia ou da hora ninguém sabe; nem os anjos no céu, nem o Filho, senão o Pai” (Mc 13.32). 

A ideia expressa em ambas passagens é a que não podemos saber quando Jesus estará de volta. Por isso, erram todos aqueles que predizem a hora, o dia, o mês e o ano do retorno de Cristo, como fizeram, por exemplo, aqueles acima mencionados.


3. Deve ser desejado

As palavras finais de João a respeito da volta de Cristo, no Apocalipse, devem estar presentes no coração do cristão. “Amém! Vem, Senhor Jesus!” (Ap 22.20).

Paulo afirmou: “Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo” (Fp 3.20). O termo “maranata”, em 1 Cor 16.22, significa “vem, nosso Senhor”. Esses textos mostram que o retorno de Cristo era algo desejado pelos apóstolos e deve ser também o nosso desejo. 

Wayne Grudem observa que a intensidade de nossa ânsia pela volta de Jesus “mede a condição espiritual de nossa vida no momento”. Também “mede, de certa forma, até que ponto vemos o mundo como realmente é [...]: escravizado ao pecado e em rebeldia contra Deus, subordinado ao poder do Maligno (1 Jo 5.19)”.

Conclusão
A volta de Cristo é reiteradamente ensinada na Escritura. Ela será corpórea e não espiritual, como afirmam alguns. Será súbita, portanto, é erro determinar o dia e hora desse evento. 

A Bíblia também nos ensina que o retorno de Nosso Senhor é algo que deve ser desejado intensamente pelos cristãos. Que a graça do Senhor transborde em nós e nos proteja dos erros que têm sido disseminados sobre este tema no decurso da história.

------------------------------------
Carlos Eduardo Pereira de Souza  é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. Formou-se em Teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 2003 e pela Universidade Presbiteriana Mackenzie em 2012. Mestrado em Novo Testamento pelo Centro de Pós Graduação Andrew Jumper em 2013. Pós-graduado em docência do ensino superior, pela Universidade Paulista em 2016.

Tecnologia do Blogger.