Contemplando os Evangelhos!


Uma carta - Eu estava lá!

Mateus 21:1-11; Marcos 11:1-10: Lucas 19:29-38

Querido Jesus,

Estou lhe escrevendo esta carta para dizer-lhe como fiquei feliz em vê-lo naquele lindo dia em Jerusalém.

Eu morava com minha família em Betânia, uma pequena aldeia ao pé de Jerusalém. De nossa casa, podíamos ver os muitos peregrinos que já estavam começando a chegar em Jerusalém para as grandes festas e celebrações da Páscoa que aconteceriam em breve. 


Eu sempre ficava maravilhada em ver a profusão de gente chegando em Jerusalém para as celebrações. Achava maravilhoso ouvir as diferentes línguas e sotaques, o colorido das roupas, crianças correndo para todos os lados... enfim, a linda cidade de Jerusalém ficava ainda mais linda durante as grandes festas!

Especialmente nesta época, eu também observava os rabinos e doutores da Lei, sempre muito preocupados em fazer com que todos, moradores locais e visitantes, guardassem todos os rituais judaicos, exatamente como estavam escritos na Torá, o Grande Livro!

Na verdade em seu zelo exagerado pela religião judaica, eles começaram a sobrecarregar o povo com ordenanças que iam muito além da Palavra de Deus descrita por Moisés e os profetas, afastando o nosso povo do verdadeiro conhecimento e adoração ao Senhor.

Estávamos vivendo tempos difíceis. Já não ouvíamos mais a voz do nosso Deus e ansiávamos por uma renovação espiritual em nosso meio. Queríamos experimentar Deus, como os nossos antepassados haviam experimentado e aguardávamos com grande expectativa o dia em que o tão esperado Messias viesse para nos resgatar da tirania romana que nos oprimia, e também da obrigação cega que os fariseus nos impunham no cumprimento da Lei.

Assim, foi com grande esperança, que começamos primeiro, a ouvir uma voz solitária, como a voz de alguém clamando no deserto – nos chamando ao arrependimento de pecados e anunciando a vinda de um novo Reino!

Finalmente, depois de tantos anos sem um verdadeiro profeta em nosso meio, ali estava João Batista anunciando a vinda do Messias para breve. Ao ouvirmos palavras tão profundas, o coração do nosso povo se encheu novamente de grande alegria e esperança. Então, era verdade tudo o que os profetas profetizaram – o Messias estava chegando para nos resgatar!

E foi assim, que numa manhã qualquer, minha família e eu juntamente com outros amigos estávamos à beira do rio Jordão, para sermos batizados por João Batista, quando de repente, vimos o Senhor que também vinha para ser batizado por João. Isto não seria tão estranho, já que todos nós estávamos ali com o mesmo propósito, se não fosse o fato de que logo após o seu batismo, vimos uma pomba branca descer e pousar sobre os seus ombros e também ouvimos uma voz poderosa, quase como o som de um trovão de tão forte, dizer: “Tu és o meu Filho amado, em quem me comprazo” (Mc 1:11).

E foi assim, Jesus, que imediatamente deixamos de seguir João Batista, e começamos a segui-lo. As suas palavras ardiam em nosso coração. A sua alegria em anunciar a chegada do Reino de Deus à nós, nos fazia até mesmo esquecermos das lutas e da opressão em que vivíamos.

Eu estava lá naquela montanha, onde por todo o dia o Senhor nos ensinou o quanto mais bem aventurados éramos em nossa pobreza. Naquele dia eu aprendi os verdadeiros valores do Reino de Deus e em meu coração tomei a decisão de tornar-me sua discípula.


Em minha ânsia por querer aprender mais com o Senhor, eu comecei segui-lo em todos os lugares possíveis. Queria estar cada vez mais perto do Senhor, e esperava sempre o seu retorno a Jerusalém com grande expectativa. Com certeza, o Senhor estaria em Jerusalém para as celebrações da Páscoa.

Era manhã de domingo e eu acordei ouvindo os pássaros cantando profusamente nas grandes oliveiras que rodeavam a nossa casa. Pelas frestas da janela os raios do sol invadiam o meu quarto, enchendo o meu coração de uma alegria incontida. Não sei explicar, mas por alguma razão eu comecei a sentir que aquele seria um dia muito especial.

Sai rapidamente da cama e comecei a preparar-me para as atividades do dia.

A primeira tarefa era ir buscar água no poço localizado no centro da vila para lavar as vasilhas usadas no jantar da noite anterior.

Ao chegar ao poço encontrei várias mulheres que estavam ali para também pegar água. Logo começamos a conversar animadamente e eu percebi que também elas estavam ansiosas para verem o Senhor. Sabíamos que talvez naquele mesmo dia, o Senhor poderia chegar e por estarmos no caminho de Jerusalém, com certeza o Senhor teria que passar por ali.

Terminei de encher o meu cântaro com a água, mas antes mesmo de colocá-lo em minha cabeça, fui surpreendida pelas pessoas correndo em direção à estrada.

Era difícil ver exatamente o que estava acontecendo, mas aos poucos pude entender que alguns homens estavam discutindo com dois de seus discípulos que estavam desamarrando um jumentinho que estava pastando junto com sua mãe na beira da estrada. Em meio à confusão, os discípulos logo explicaram que havia sido o Senhor que os mandara buscar o jumentinho e logo o trariam de volta.

Ao ouvir o que os discípulos disseram, todos corremos também para irmos ao seu encontro e logo o encontramos na entrada de Jerusalém. Vimos quando os discípulos colocaram as suas próprias vestes sobre o jumentinho e o ajudaram a montá-lo e o conduziram cavalgando de vagar por entre as pedras da estrada que levava direto aos portões de Jerusalém.

De repente todos começaram a também estenderem as suas vestes pelo caminho, e outros cortavam ramos de árvores e os espalhavam pelo caminho onde o Senhor estava passando. As multidões, tanto as que iam adiante como as que o seguiam, clamavam, dizendo: “Hosana ao Filho de Davi! Bendito o que vem em nome do Senhor! Hosana nas alturas!” (Mt 21:8-9)

Era uma grande festa! Todos nós estávamos muito alegres em O proclamarmos o nosso Rei! Um dia inesquecível para todos nós. O dia que aguardávamos há tanto tempo. Finalmente a nossa sorte seria restaurada e nossos opressores seriam expulsos de nossas terras.

Eu não podia me conter de tanta alegria! O meu Senhor iria tomar o assento no grande trono no palácio em Jerusalém e como nos tempos do grande rei Davi, seríamos novamente governados por um grande e poderoso Rei.

Com certeza, as celebrações desta páscoa seriam muito diferentes das celebrações anteriores. Já não haveria mais tristezas em nosso meio. Já não haveria mais opressão tanto dos romanos, como dos fariseus e doutores da lei. O ensino da Torá e o templo seriam novamente acessíveis a todos, pois o Rei Jesus estaria sentado em seu trono para reinar soberanamente sobre todos nós!

E assim, querido Jesus, diante de tão glorioso dia, eu pude vislumbrar como será o dia final onde o Senhor estará sentado à direita de Deus Pai todo poderoso reinando soberana e eternamente!

Aproveito esta carta para agradecê-lo por tudo o que o Senhor tem me ensinado sobre o Reino de Deus. Os milagres que o Senhor realizou me ajudaram a entender o poder e o amor de Deus por mim e por todos nós que O aceitamos em nossos corações, por causa do Seu testemunho mostrando-nos a face de Seu Pai. Sou-te imensamente grata por teres deixado a Sua glória nos céus para vir morar entre nós na terra. 

Ao estar entre nós, o Senhor nos mostrou o caminho para o Pai e eu entendi que este é o verdadeiro caminho.

Muito obrigada Senhor Jesus. E, por favor, ajuda-me a ser sempre fiel ao Senhor e obediente à Sua Palavra até o último dia, quando finalmente estarei diante do Senhor face a face!

Glórias ao Teu Nome para todo o Sempre!
No amor do Pai e por amor ao Seu Reino,
Sua amada filha e serva,

Madalena Gomes

--------------------------------------------------
Madalena Gomes é membro da Igreja Presbiteriana do Caminho em Londrina, formada em Teologia com ênfase em missões pelo ISBL Faculdade de Teologia de Londrina e em Letras pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). É missionária desde 1998, servindo pastores e líderes dos países de língua portuguesa na África através da CRM Empowering Leaders. Madalena mora em Pretória, África do Sul. (clique para entrar em contato)
Tecnologia do Blogger.