Hino 298 - A Pedra fundamental



1. Da Igreja o fundamento 
É Cristo, o Salvador! 
Em seu poder descansa 
E é forte em seu amor. 
Pois nele, alicerçada
Segura e firme está 
E sobre a Rocha Eterna 
Jamais se abalará.

2. A pedra preciosa 
Que Deus predestinou 
Sustenta pedras vivas 
Que a graça trabalhou. 
E quando o monumento 
Surgir em plena luz,
A glória do edifício 
Será do Rei Jesus!

3. Neste edifício santo 
Que visa ao teu louvor, 
Esteja a tua bênção, 
Rogamos-te, Senhor! 
Que muitos pecadores 
Aqui, em contrição,
Se tornem templos santos 
De tua habitação. 

Informações
Letra: Samuel John Stone, 1866
Tradução: Robert Hawkey Moreton, 1907
Música: Samuel Sebastian Wesley, 1864

História
O Rev. Samuel John Stone nasceu na Inglaterra em 1839. Estudou em Oxford revelando dons poéticos e esportivos. Em 1862 trabalhava numa igreja em Windsor quando houve grande controvérsia teológica causada pelo livro "O Pentateuco e o Livro de Josué" do Rev. John William Colenso, sobre a natureza da Igreja.

Em 1866 o Rev. Stone publicou sua "Lyra Fidelium" contendo doze hinos sobre os doze artigos do Credo Apostólico. Entre eles estava "A Pedra Fundamental", especialmente destinado a uma posição sobre a controvérsia em voga. 

O Rev. Stone foi para Londres em 1870 trabalhar com seu pai que também era pastor num bairro pobre. Sucedeu ao pai, após sua morte em 1874, permanecendo aí até 1890 quando sua saúde ficou debilitada. Tratava-se de um câncer que o vitimou em 1900. 

A melodia "Aurélia", de Samuel Sebastian Wesley (1810-1876) foi produzida para o hino "Jerusalém excelsa" mas em 1868 foi associada ao hino de Stone e, a partir dessa edição no "Hymns Ancient and Modern", letra e música se tornaram inseparáveis. Samuel Sebastian Wesley era neto do grande Charles Wesley (v. hino n° 240). 

Excelente músico e organista, estudou em Oxford onde recebeu os títulos de Bacharel e Doutorem Música. Altamente considerado pela sua obra imortal, marcou sua presença na História, tendo recebido sempre as mais expressivas homenagens. Faleceu em 1876.

Tecnologia do Blogger.