Hino 146 - A segurança do crente



1. Oh! Quão preciosa e rica promessa
De Jesus Cristo, celeste Rei.
Ao que confia na sua graça
Diz ele: "Nunca te deixarei!"

     Oh! Não temas!
     Oh! Não temas!
     Pois eu contigo sempre serei.
     Oh! Não temas!
     Oh! Não temas!
     Porque eu nunca te deixarei!

2. Para remir-te dei o meu sangue.
Vem sem demora, pois te chamei.
Meu, para sempre, tu és agora;
Nunca, sim, nunca te deixarei.

3. 'Inda que indigno foste escolhido,
Jamais vaciles porque eu te amei.
Quem dos meus braços pode arrancar-te?
Seguro sempre te guardarei!


Informações
Letra: Nathaniel Niles, c. 1871
Adaptação: Henry Maxwell Wright, 1890
Música: Philip Paul Bliss, 1838 - 1876

História
Autor de sete dos hinos incluídos neste hinário e compositor de treze das músicas, Philip Paul Bliss é uma das personalidades mais importantes da história da hinologia evangelística não só pela qualidade de seus trabalhos (considerado o maior hinista depois de Fanny Crosby) como pela simplicidade, simpatia e impressão causada pelo seu modo de cantar, muito apreciado pelos evangelistas com quem trabalhou, como Dwight Moody, Daniel Webster Whittle e outros. 

Ele mesmo era pregador evangelista. Sua biografia é rica em informações sobre seu dom musical. Nasceu em Clearfield County, na Pennsylvania, em 1838. Zona rural, poucas oportunidades de contato com centros maiores, fabricava ele mesmo seus instrumentos. Aos dez anos ouviu pela primeira vez um piano e ficou encantado. 

No ano seguinte deixou a casa paterna e foi trabalhar em fazendas da região. Uniu-se à Igreja Batista aos doze e começou a estudar música, embora de forma irregular e, em 1860, torna-se professor de música, influenciado por William Batchelder Bradbury que conheceu em uma convenção. 

Começou a compor e vender suas músicas para ter sustento além das aulas que dava. Também começou a usar sua linda voz como solista, dirigente de canto congregacional e pregador (Continuaremos a escrever sobre ele no hino n° 150).

Tecnologia do Blogger.