Conhecendo [um pouco] o mundo do pastor (2)




Em nossa última reflexão neste espaço terminamos com um pergunta, “se algo poderia ser feito para diminuir os riscos que o[s] pastor[es] corre[m]?”

Sim, você pode em primeiro lugar ORAR E SUPLICAR A DEUS, o Senhor da Igreja por seu pastor[es]. Eis um exemplo de oração que você pode fazer:

Supremo, Excelso e Senhor da Igreja, alegro-me pelo privilégio de servir em Tua igreja. Ajuda nossa congregação, especialmente a mim, a cuidar mais de nosso pastor. Somos gratos pelo seu ministério. Obrigado por chamar nosso ministro para Teu serviço. Obrigado também por chamar nosso pastor para este lugar. Capacita-nos a servirmos juntos (pastor e povo) como se fosse o nosso último dia, ou melhor ainda, como se fosse o nosso primeiro. Amém.

Você pode também OFERECER ASSISTÊNCIA ao pastor para cumprirem suas tarefas.

a) Compreendendo seu pastor. Quando ele parece estar preocupado ou pensativo, tente entender que pode estar lidando com questões confusas, que dizem respeito a feridas de alguém. As maiores demandas são, em sua maioria, as questões mais confidenciais.

b) Encoraje seu pastor a dar um tempo. Ajude-o a desligar-se momentaneamente de suas atividades ao convidá-lo para almoçar ou lanchar, sem discutir sobre o trabalho da igreja. Convide-o para um evento social ou esportivo que o auxiliará a deixar de lado necessidades de pessoas feridas por algumas horas.

c) Ajude pessoas atribuladas em sua igreja. Torne-se ouvinte ou ofereça um ombro amigo para alguém que tenha problemas que você compreenda. Muitas vezes uma simples frase de incentivo e encorajamento a um irmão a fim de que mantenha o foco de sua vida em Jesus, e não no problema. Quando você faz isso, dá a um pastor sobrecarregado uma ajuda que chega em boa hora, e finalmente,

d) Ofereça-se para ser pai espiritual para os novos convertidos. Ensine-os a orar. Mostre-os como ler a Bíblia. Incentive-os de todas as maneiras possíveis. Mantenha-se perto o suficiente para que se disponham a compartilhar as frustrações de sua caminhada com você.

Como educar uma criança, cuidar de um novo convertido é muitas vezes frustrante. A despeito das exigências, contudo, vale a pena em longo prazo, e evita que eles exijam demasiado apoio emocional do pastor. Todos ganham com este esforço: você ajuda os novos na fé, alivia seu pastor, e, no transcorrer do processo, desfruta da satisfação que este ministério produz.

-----------------------------------------
Gilberto Bueno Filho, é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. Formado em Teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 2001. Pós-Graduação em Ética, Cidadania e Subjetividade pela Escola Superior de Teologia em 2007. É fundador e editor do blog familiafariabueno.
Tecnologia do Blogger.