Compartilhando


Leitura Bíblica: Efésios 3.14-20
O amigo ama em todos os momentos; é um irmão na adversidade (Pv 17.17).

Gary Chapman conta uma história interessante que aconteceu com ela: Eu queria cultivar tomates, muitos tomates. 

Ano após ano, fracassei. Não consegui fazer que um pé produzisse um único tomate. “Pense como um tomate”, disse a mim mesma. 

Fiz isso. 

Firmei o propósito de que, se eu fosse um pé de tomate, na verdade não seria o pé de tomate mais feliz do mundo se ficasse no meu quintal. 

Em vez disso, preferiria ficar numa faixa estreita do jardim da vizinha, voltado para o sol, bem ao lado da minha calçada e da parede da garagem. 

Ali os pés de tomate receberiam a grande exposição ao sol do quintal de minha vizinha Patty e o calor radiante adicional das minhas paredes e tijolos. 

Assim, fui falar com ela. “Patty, vamos fazer uma parceria e plantar tomates!” 

Sugeri e apresentei meu plano. Ela concordou. Ficamos maravilhadas e deixamos outros maravilhados diante de cestos e mais cestos de colheita daqueles deliciosos globos vermelhos. 

Patty era minha vizinha havia vinte anos, mas até aquele ano nenhuma de nós vira o campo maduro para a colheita que ficava entre nossas casas.

“Um campo maduro entre as duas casas”. 

Esta frase demonstra uma grande realidade: como podemos fazer mais contando com a colaboração de outra pessoa. 

Nossa vida pode se tornar muito mais produtiva à medida que compartilhamos nossas ideias com outras pessoas. Todos nós ganhamos quando aprendemos a trabalhar em equipe. 

Precisamos considerar mais a importância do outro e convidar mais pessoas para participarem de nossos sonhos.

As melhores conquistas são as que conquistamos juntos de alguém. Quando temos bons amigos, podemos, sob a orientação de Deus, realizar grandes coisas. 

Em nossos relacionamentos, no lugar de construirmos muros, que possamos cada vez mais plantar sementes. 

Os muros nos separam, as sementes darão frutos que poderemos dividir entre nós e distribuir com outras pessoas.

Reconheçamos a necessidade do outro.

Comentários