Árvore confusa


Vocês, porém, são geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz (1Pe 2.9).

"Era uma vez um belo jardim com maçãs, laranjas, peras e lindas rosas. Tudo era alegria no jardim, com exceção de uma árvore que estava profundamente triste. 

A árvore tinha um problema: Não sabia quem era, nem o que tinha de fazer. A macieira lhe disse que era muito fácil fazer saborosas maçãs. Por que não tentar? - Não a escute, lhe disse a roseira. - É melhor ter rosas. Não vê como elas são belas? 

E a árvore desesperada, tentava tudo o que lhe sugeriam, porém não lograva ser como as demais, se sentia cada vez mais frustrada. 

Um dia chegou ao jardim uma coruja, o mais sábio dos pássaros, e ao ver o desespero da árvore, exclamou: - Não se preocupe, seu problema não é grave, muitos seres sobre a Terra o têm. Vou lhe mostrar uma nova possibilidade: Não dedique sua vida para ser como os outros querem que você seja. Busque ser você mesma, conhecer qual é a sua vocação, a sua missão nesta vida. E dito isso, a coruja desapareceu. 

Ser eu mesma? Conhecer-me? Vocação? Missão? Perguntava a si mesma a árvore desesperada, quando de repente ela percebeu... E fechando os olhos ouviu uma voz interior dizendo: Você jamais dará maçãs, porque você não é uma macieira, nem irá florescer a cada primavera, porque você não é uma roseira. 

Você é um carvalho, e seu destino é crescer grande e majestoso. Proporcione abrigo para pássaros, sombra para os viajantes, beleza para a paisagem... Essa é a sua vocação. É para isso que você nasceu. Descubra como se manifestar e cumpra a sua missão”.

Muitas pessoas vivem tentando ser o que não podem. Vivem se medindo e competindo com os outros. Na verdade, cada um de nós tem diante de Deus um propósito específico. 

No lugar de querer ser melhor do que os outros devemos buscar superar a nós mesmos. Cada novo dia podemos melhorar, fazer mais, alcançar nossos objetivos.

Desenvolva suas qualidades.

Comentários