As Bem-Aventuranças (7) - Os Pacificadores

Preparando-se para o dia mal


Porque deveras haverá bom futuro; não será frustrada a tua esperança (Pv 23.18).

Enquanto durou a guerra, um soldado alimentara com cevada seu cavalo, que lhe era muito precioso. Quando veio a paz e o animal só servia como um escravo, para carregar pesadas cargas, a palha substituiu a cevada. 

De novo, vieram os rumores da guerra. Ouviu-se o soar das trombetas. O dono do cavalo se armou, arreou-o e se foi cavalgando. Mas o cavalo depauperado caía a cada passo. 

Ele disse então ao dono: “vai agora te juntar aos outros soldados! Como posso hoje agir como um cavalo depois de ter recebido tratamento de asno?” 

Em tempos de paz, é bom não esquecer o tempo dos infortúnios.

Como nos preparamos para os dias maus? Muitos tentam se convencer de que estes dias nunca irão chegar. Por isso não se preparam. 

Um exemplo disso é em relação às finanças. Quantas vezes gastamos sem necessidade e depois passamos apertos por falta de planejamento. 

Mas o maior exemplo disso está relacionado à questão espiritual. Precisamos nos manter vigilantes. Firmes na fé, alimentando a nossa alma com o melhor alimento que é a Palavra de Deus. 

Nossa luta maior é a espiritual. Nosso investimento diário deve ser em buscar o conhecimento de Deus e de nós mesmos. Não é apenas ler a Bíblia e ir à igreja, mas é fazer isso com intenção no coração de pôr em prática o que aprendeu.

Existem apenas dois destinos, como disse Lewis Bayly, em seu livro, A Prática da Piedade: “Ou viajamos pelo caminho largo rumo à destruição, ou, pela graça divina, estamos no caminho estreito que conduz à vida eterna". 

Jesus diz que devemos entrar pela porta estreita, que conduz a vida eterna (Mt 7.13). O futuro logo nos alcança, precisamos estar preparados para o grande dia do encontro com o Senhor. 

Trate de conseguir imediatamente o óleo da piedade para a lâmpada da sua conduta, para que esteja em contínua prontidão para se encontrar com o noivo ( Bayly).

Pratique a piedade.

Comentários