No trabalho há proveito


Do trabalho de tuas mãos comerás, feliz serás, e tudo te irá bem (Sl 128.2)

Um carro era arrastado pelos bois. Como o eixo rangia, eles se voltaram e disseram-lhe: "Nós puxamos o carro e vocês é que gemem?” 

Para uns, o sacrifício, para outros, as queixas. Muitos trabalham e vencem as barreiras diárias. Outros, sempre com desculpas, fazem muito pouco. Ficam só olhando, preferem reclamar. 

Em que grupo nos encaixamos? 

No grupo dos que fazem força ou no dos que reclamam? Os acomodados, na maioria das vezes, reclamam, porque se sentem incomodados em ver outros fazendo muitas coisas. Eles não querem fazer, por isso reclamam e colocam defeito nos que estão fazendo. 

Não precisamos de muito esforço para saber que devemos estar no grupo dos que trabalham. Nossa atenção deve ser realizar com alegria o que Deus nos der condição para fazer. 

Com força e motivação, devemos executar todas as tarefas que nos cabem. Nem mesmo devemos reclamar dos que reclamam como fizeram os bois da fábula. 

Devemos fazer tudo sem murmuração. “Em todo trabalho há proveito; meras palavras, porém, levam à penúria” (Pv 14.23). Do trabalho vem o nosso sustento e de nossa família. Também temos condições para ajudar o próximo em necessidade. 

A terra está cheia de riquezas, diz o salmista: “Que variedade, SENHOR, nas tuas obras! Todas com sabedoria as fizeste; cheia está a terra das tuas riquezas” (SI 104.24). 

A mão de Deus é responsável por tamanha diversidade. E neste mundo repleto de opções, diz o versículo 104.23, “sai o homem para o seu trabalho e para o seu encargo até à tarde”. 

Desde a criação. Deus colocou no homem responsabilidade e autoridade. Hoje ainda temos um chamado a cumprir. Além do trabalho material, temos também o espiritual.

Deus desperta em nosso coração e nos capacita a exercer os dons espirituais. Sem reclamar, devemos cumprir o nosso mais importante trabalho. 

Como servos de Deus, devemos anunciar a sua mensagem aproveitando nossa influência na sociedade. Poder trabalhar é motivo de alegria.

Comentários