Santa Ceia



E digo-vos que, desta hora em diante, não beberei deste fruto da videira, até aquele dia em que o hei de beber, novo, convosco no reino de meu Pai (Mt 26.29). 

A Santa Ceia é o vínculo, a evidência da nossa profissão de fé cristã. O pão representa o corpo de Cristo, e o vinho o seu sangue derramado na cruz por nós. Comer e beber devem ser feitos em memória de Cristo. 

Gosto muito da ideia de que sempre que nos reunirmos ao redor da mesa do Senhor devemos olhar para trás, para a frente e para dentro. O Rev. Hernandes Dias Lopes falou sobre isso em um de seus comentários. Trago neste texto um resumo disto: 

a) Devemos olhar para trás. Quando você participa da Ceia, você deve olhar para a cruz de Cristo (ICo 11.26). Todas as vezes que comemos o pão e bebemos o cálice, anunciamos a morte do Senhor. Quando Jesus pegou o pão e o partiu, ele disse: “Este pão é o meu corpo, que é partido por amor de vós. Tomai e comei, fazei isto em memória de mim" (ICo 11.24). 

Jesus está ordenando que a igreja se lembre não dos seus milagres, mas da sua morte. Devemos olhar para trás e nos lembrar por que Cristo morreu, como Cristo morreu, por quem Cristo morreu. Cristo é o centro da Ceia. A Ceia é uma pregação dramatizada do calvário. 

b) Devemos olhar para a frente. Paulo diz: “Porque, todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice, anunciais a morte do Senhor, até que ele venha” (ICo 11.26). A Ceia nos aponta para a segunda vinda de Cristo. Há um clima de expectativa em toda celebração da Ceia do Senhor (Lc 22.16,18). A segunda vinda de Cristo é a grande esperança do cristão num mundo perdido. 

c) Devemos olhar para dentro. Paulo exorta: “Examine-se, pois, o homem a si mesmo" (ICo 11.28). Em vez de examinar e julgar a vida alheia; examine-se a si mesmo e julgue-se a si mesmo. Investigue o seu coração. Analise a sua vida. Paulo diz: Examine-se o homem a si mesmo e coma. Paulo não diz: Examine-se o homem e deixe de comer. A Ceia é um instrumento de restauração. A Ceia é um tempo de cura, de reconciliação. Santa Ceia, nossa comunhão.

Comentários