A ostra


Se perseveramos, também com ele reinaremos; se o negamos, ele, por sua vez, nos negará (2Tm 2.12). 

Gina era uma ostra que vivia no fundo do oceano. Morava dentro de duas conchas que lhe serviam de proteção contra animais predadores. 

Achava sua vida muito boa, passeava pelo oceano, conhecendo lugares maravilhosos e, quando sentia fome, bastava abrir suas conchas e esperar que algumas algas marinhas se acomodassem no seu interior. 

Um dia, quando Gina se alimentava de algas, um grão de areia aproveitou a oportunidade e se alojou no seu delicado corpo. Ao sentir aquele corpo estranho dentro de si, tentou expulsá-lo. Abriu novamente suas conchas para que ele saísse naturalmente. 

O esforço porém foi em vão, pois o grão de areia havia se agarrado fortemente ao seu corpinho. Percebendo que não havia a menor possibilidade de se livrar do intruso, Gina procurou outra solução. 


Foi quando teve a ideia. “Já que não é possível o grão sair da minha casa, preciso descobrir uma maneira de conviver bem com ele”. 

Assim, Gina produziu um invólucro para o grão e descobriu uma forma de sua aspereza não mais incomodá-la. A partir de então, gerou-se dentro da ostra uma pedra lisa e brilhante. 

Certo dia, quando Gina abriu suas conchas para se alimentar, um pescador que passava por ali, notou a linda pedra no seu interior e delicadamente a retirou dali. 

Maravilhado com a delicadeza da pedra, batizou-a com o nome de “pérola”, levando-a de presente para sua esposa. 

Assim Gina pôde livrar-se do intruso. Transformou algo que a incomodava em um delicado presente, que hoje todos admiram. 

Existem limitações e dificuldades que irão fazer parte de nossas vidas por muito tempo. Saber lidar com elas da melhor forma é uma atitude importante para quem quer viver melhor. 

Muitos perdem a paz por causa de acontecimentos naturais e bem previsíveis. Não podemos esquecer que vivemos em um mundo imperfeito e que somos frágeis. Aproveite as oportunidades que Deus lhe dá de transformar pedras em pérolas. 

Espera, suporta as adversidades.

Comentários