Hino 320 - Brilha no viver



1. Não somente ao se fazer trabalho singular
É mister agir com muito ardor; 
Mas as coisas mais humildes a executar, 
Deves fazê-las com fervor.

    Brilha no meio do teu viver, 
    Brilha no meio do teu viver! 
    Pois talvez algum aflito possas socorrer;
    Brilha no meio do teu viver.

2. Oh! Talvez alguma vida possas confortar 
Com palavras brandas, de amor.
Ou, talvez, algumas almas tristes alcançar 
Com a mensagem do Senhor.

3. Por maior que venha a ser o teu esforço aqui. 
Por mais firme a tua devoção, 
Quantas almas 'inda jazem ao redor de ti, 
Na mais total escuridão.

Informações
Letra:  Ina Duley Ogdon
Tradução: William Edwin Entizminger, 1859 - 1930
Música: Charles Hutchison Gabriel, 1912

História
Ina Duley Ogdon é a autora deste hino de grande aceitação nos Estados Unidos e em todo o mundo. Nasceu em 1872 em Illinois. Tomou-se professora aos dezesseis anos e aos vinte compôs seu primeiro hino, inspirada num sermão do evangelista Talmadge. 

Em 1896 casou-se com um professor que tomou-se agente postal ferroviário. O casal passou a residir em Toledo. Seu pai sofreu um grande revés econômico que causou, anos depois, um derrame seguido de paralisia. 

Ina foi sua enfermeira em 1912, ano em que escreveu este hino, testemunho de fé inabalável. Enviou o manuscrito ao grande compositor Charles H. Gabriel (hino n° 209) que preparou a música e a entregou ao editor Rodeheaver. 

Um ano depois o hino foi apresentado a um auditório em Wilkes Barre, na Pennsylvania, e começou sua trajetória de sucesso em todo o mundo. Chega a nós pela tradução do Rev. Entzminger (hino n° 108). 

Há inúmeras histórias sobre o hino, algumas pitorescas, como a de sua escolha, em 1925, para ser hino oficial da equipe de beisebol em Nanquim, na China. 

Ina Duley Ogdon foi enfermeira voluntária da Cruz Vermelha americana durante a primeira guerra mundial. Escreveu três livros e publicou mais de trezentos hinos, além de antemas e cantatas sacras. Faleceu em Toledo em 1964. 

Tecnologia do Blogger.