Tirando as máscaras



De onde vêm as guerras e contendas que há entre vocês? Não vêm das paixões que guerreiam dentro de vocês? (Tg 4.1). 

No carnaval algumas pessoas colocam máscaras, ou será que elas, na verdade, tiram suas máscaras? Acredito que mais do que colocar máscaras, muitos tiram a máscara. 

Tiram a máscara de pessoas certinhas e encarnam quem realmente são: beberrões, adúlteros, depravados e muito mais. 

Podem até colocar uma máscara para esconder seu rosto, para tentar não ser reconhecidos pela folia e excessos que vão cometer. Mas, na verdade, estão tirando as máscaras, no sentido de demonstrar quem elas realmente são. 

Infelizmente, o carnaval é um momento que muitas pessoas deixam os seus desejos se aflorarem. Como diz uma antiga marchinha escrita por Chico Buarque: 

É Carnaval, não me diga mais quem é você, amanhã tudo volta ao normal, deixa a festa acabar, deixa o barco correr, deixa o dia raiar que hoje eu sou da maneira que você quiser, o que você pedir eu lhe dou, seja você quem for, seja o que Deus quiser, seja você quem for, seja o que Deus quiser. 

Mas e aqueles que não vão ao carnaval? Quem realmente são? Será que estão com ou sem máscara? Nenhum de nós deveria usar máscaras. Máscara só usa quem está representando um papel, quem quer se esconder, fingir ser alguém que não é. 


O verdadeiro cristão deve ser sincero. Esta palavra, “sincero”, vem do latim sinceru, que quer dizer sem cera, sem mistura, sem máscaras. 

Nossa vida não pode ser como a dos religiosos que viviam do ritualismo e da aparência de sua fé. Haviam aprendido as fórmulas e as repetiam diariamente, mas os seus corações estavam desconectados dos seus lábios. Nossa vida diária deve ser uma expressão do que sentimos e pensamos a partir da ação de Deus em nós. 

Neste período de carnaval vemos muita gente abusando da carne. Mas nossa maior atenção deve estar na difícil missão de olhar para dentro de nós mesmos em reconhecimento do quanto precisamos da misericórdia de Deus. 

Diante de Deus não podemos esconder quem realmente somos.

Comentários