A prática da oração




De uma feita, estava Jesus orando em certo lugar; quando terminou, um dos seus discípulos lhe pediu: Senhor, ensina-nos a orar... - Lucas 11:1-4 

Muitos pensam que a oração do Pai Nosso é um ritual para ser repetido sem refletir seu significado ou profundeza de cada palavra do Mestre. Mas não! A oração do Pai Nosso é um modelo para a nossa vida de oração!

Veja o que podemos aprender tomando como base a oração do Pai Nosso:

1 - A prática da oração demanda um tempo especifico num lugar separado.
É claro que Deus escuta todas as nossas orações e nada escapa do seu conhecimento. Posso orar por uma pessoa dirigindo o carro ou ainda no trabalho, na escola, onde for... Todavia a prática de oração, de acordo com o exemplo de Jesus, exige um tempo especifico em um lugar separado:

  • “estava Jesus orando em certo lugar” - Lucas 11.4
  • “Mas Jesus se retirava para lugares solitários” - Lucas 5.16; 
  • “naqueles dias Jesus saiu para o monte a fim de orar” - Lucas 6.16; 
  • “Certa vez, Jesus estava orando em particular” - Lucas 9,18; 
  • “Jesus tomou consigo Pedro, João e Tiago” - Lucas 9.28; 
  • “se afastou deles a uma pequena distância, e ajoelhou e começou a orar” - Lucas 22.41. 

Todos estes textos nos mostram a necessidade de ter um tempo e um lugar de oração. A vida agitada, com tantas atividades pode nos roubar essa oportunidade de estarmos em íntima comunhão com Deus. Assim, é importante escolher um lugar em que possamos nos desligar do mundo e ter um tempo de oração. Você tem um lugar para ter um tempo de oração com o Pai?

2 - A prática da oração é um processo a ser aprendido. 
O texto nos diz: ".... estava Jesus orando em certo lugar, quando terminou, um dos seus discípulos, lhe pediu: Senhor ensina-nos a orar." 

Antes de tudo, note que o discípulo não interrompeu a oração de Jesus, pois era um tempo importante. Como judeus, os seus seguidores já tinham o costume de orar, pois aprenderam com os lideres religiosos da época. Todavia era uma oração que mais parecia um ritual baseado em regras e condutas.

Mas na vida de Jesus, a oração era um processo de relacionamento com o Pai. Era um diálogo baseado na pessoa de Deus e não aquela oração utilitarista que só é feita quando se precisa de algo para o momento. Para Jesus, oração era relacionamento com o Pai. Precisamos aprender que oração envolve relacionamento, intimidade com Deus.



3 - A prática da oração revela quem Deus é e o Reino que Ele quer implantar em minha vida. 
O termo “santificado seja o teu nome” nos remete a figura do trono de Deus. Essa mesma ideia pode ser encontrada por toda a Bíblia, por exemplo, em Isaías 6 e Apocalipse 4.8 onde os seres viventes proclamavam de dia e de noite, sem descanso “Santo,Santo,Santo é o Senhor Deus...”.

Quando nos deparamos com a Santidade de Deus somos constrangidos a buscar a implantação do Seu Reino em nossa vida. "Venha o teu reino" nada mais é do que fazer a vontade de Deus, é uma busca para agradar aquele que é Santo submetendo-se a Sua vontade. É deixar de realizar a minha vontade para fazer o que Deus quer.

Não podemos esquecer que essa realidade se completará na eternidade, mas inicia quando recebo Jesus como Senhor e Salvador da minha vida. 

4 - A prática da oração revela o agir de Deus nas mínimas coisas. 
A ideia do “pão nosso cotidiano” nos leva a compreender o cuidado de Deus com as mínimas coisas. É maravilhoso olhar para a história da nossa vida e ver como Deus cuida de nós.

Quando nos aproximamos de Deus conseguimos ver esse cuidado. Por outro lado, para a pessoa que não tem intimidade com Deus os acontecimentos são apenas coincidência. Mas para o discípulo de Jesus cada detalhe é uma prova do amor e cuidado de Deus.

5 - A prática da oração revela quem nós somos. 
Quanto maior é a nossa intimidade com Deus, maior será a nossa convicção de pecado, como aconteceu com Isaías quando estava na presença de Deus:
“....então disse eu: Ai de mim estou perdido! Sou homem de lábios impuros, e habito num povo de impuros lábios e os meus olhos viram o Rei” - Isaías 6.5 
A pratica da oração nos leva a reconhecer a nossa real situação e a buscar o perdão de Deus. Uma vez que desfrutamos desse perdão, podemos em seguida ministrar perdão àquelas pessoas que nos decepcionam. Por outro lado, a falta da oração nos leva a dizer que o problema é sempre o outro. 

6 - A prática da oração nos revela os perigos que nos cercam.
“Não nos deixe cair em tentação”. No relato de Lucas, neste ponto, surge uma grande tensão que é o resultado da decisão dos lideres religiosos de matarem a Jesus. Assim, o final do capítulo 11 revela a grande adversidade que Jesus e seus discípulos enfrentarão.

É confortador saber que temos a proteção de Deus em meio aos problemas e dificuldades da vida. Você já parou para refletir que nos momentos de maiores adversidades da nossa vida podemos pedir a proteção de Deus? Como é bom saber que Ele está ao nosso lado para cuidar de nós!

Para pensar
Em sua vida, você tem um tempo de oração em um lugar especifico? O que a santidade de Deus nos revela? Como vai a sua pratica de oração? O que pode ser feito pra melhorar o relacionamento de oração com Deus?

-----------------------------------------
Josimar Gabriel da Rocha é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. Formou-se Bacharel em Teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 1993 Foi ordenado pastor em 1995. Trabalhou como missionário no Rio Grande do Sul como plantador da Igreja de Alegrete, RS.