Sociais

Santificação



Porque a vereda do justo é como a luz da aurora que vai clareando cada vez mais até se tornar dia perfeito - Provérbios 4:18

A figura é muito sugestiva e se refere àquele homem que, sem ser justo, justifica-se pela sua confiança em Deus, na sua misericórdia e no seu perdão. A figura se aplica à vida da pessoa que, recebendo a graça de Deus, procura viver sob a orientação divina. 


O homem que recebe a graça de Deus e a aceita como padrão de conduta, experimenta vários tipos de transformações que justificam a figura usada por Salomão.

Todo ser humano está sujeito a transformações físicas que, embora independam de sua vontade, estão sob o controle de Deus. O homem nasce, cresce, progride. Muitos órgãos inexistentes, como as glândulas reprodutores, vêm a existir. 

O homem aproveita as circunstâncias da própria natureza e da vida para ajudar nessas transformações. A vacinação preventiva, a assistência médica, a orientação sanitária, a prática de esportes, são alguns dos recursos de que o homem lança mão para cooperar com Deus na conservação física-e, em alguns casos, para o seu aperfeiçoamento. 

Mas o homem sob a graça de Deus experimenta outro tipo de transformação, a transformação social. A história registra casos de povos que até pouco mais de cem anos atrás, costumavam matar seus leprosos. Depois da chegada do evangelho, substituíram as piras onde queimavam os doentes, por hospitais onde os doentes são tratados até o final da vida.

O homem usa aquilo que inventa ou descobre para melhorar a sua vida em sociedade. Da simples caverna passou a morar em casas. Com a descoberta do fogo passou a usar alimentos cozidos ou assados ao invés de crus. 

As plantas medicinais foram usadas para melhorar a saúde e as condições de vida. O apóstolo Paulo diz que todas as coisas nos são lícitas, mas nem todas as coisas nos convém. Isso significa que do uso que fazemos das coisas e da realidade depende nossa evolução social.

Mas há uma outra transformação muito mais importante sem a qual as outras não têm nenhum sentido - a espiritual. De acordo com o uso dos dons que Deus concede ao homem, o homem progride ou regride. 

Da descoberta do fogo, o homem chegou à invenção da bomba; do machado que era usado para abater os animais e garantir a subsistência, o homem fez uma arma com que tira a vida de seu semelhante. 

Das plantas usadas a princípio para a anestesia, o homem partiu para o vício dos entorpecentes. A graça de Deus, e só ela, é que pode ensinar o homem a usar bem os dons que Deus lhe deu. 

O apóstolo Paulo nos dá um conselho de primeira ordem quando diz: "Não vos conformeis com este mundo, mas transfor- mai-vos pela renovação do vosso entendimento para que experimenteis qual seja a boa agradável e perfeita vontade de Deus". 

O homem natural se conforma com o mundo e se transforma num autômato apenas, incapaz de sentir as influências da presença de Deus em sua existência. O homem renascido, aquele que se dispõe a receber a graça de Deus, e viver sob essa graça, é como a luz da aurora que vai clareando mais e mais até se tornar dia perfeito.

Na segunda guerra mundial um pára-quedista belga foi preso pela Gestapo. Na cela vizinha estava um velho pastor, também belga. Em pouco tempo estavam se comunicando em código morse, com batidas na parede, código que ambos conheciam. O páraquedista mandou a seguinte mensagem: "É um inferno estar a sós consigo mesmo". O pastor respondeu: "É um céu estar a sós com Deus".

O pastor providenciou que alguns amigos levassem uma Bíblia ao seu novo amigo, vizinho de cela. Ao sair para ser executado o paraquedista parou na frente da cela do pastor e disse: "estou saindo para a vida e não para a morte".

Foi transformado pela graça de Deus. A mesma graça que levou o ladrão que estava ao lado de Cristo na cruz a exclamar: "lembra-te de mim quando entrares no teu reino" e foi a mesma graça que permitiu àquele homem que passou a maior parte de sua vida nas trevas, mas agora iluminado pela fé em Jesus Cristo, a ouvir do próprio Cristo a sentença de absolvição: "hoje mesmo estarás comigo no paraíso".

Porque a vereda do justo é como a luz da aurora que vai clareando cada vez mais até se tornar dia perfeito.

--------------------------------------------------
Samuel Barbosa é pastor jubilado da Igreja Presbiteriana do Brasil. Formou-se em teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul em 1960. Posteriormente graduou-se em Letras, Pedagogia, Supervisão Escolar e Especialização em Língua Portuguesa com produtiva carreira acadêmica. Pastoreou as igrejas presbiterianas de Apiaí, Correias e Itararé entre 1961 e 1962. Foi pastor da Igreja Presbiteriana de Itararé durante 32 anos até sua jubilação. Presidiu o Presbitério de Itapetininga por 22 anos e é pastor emérito das Igrejas Presbiterianas de Itararé e Itaberá. 
Google Plus