Hino 138 - Refúgio



1. Ó bondoso Salvador,
Sê tu meu amparador!
Negras ondas de aflição,
Fortes ventos perto estão.
Deste espanto e de terror
Vem salvar-me, ó bom Senhor,
E no porto faze entrar
Minha barca sem quebrar!

2.Consternado nesta dor,
Sem refúgio, sem vigor,
Meu medroso coração
Vem rogar-te proteção.
Mostra o teu imenso amor,
Ó benigno Salvador!
Poderosa e clara luz,
Não me deixes, ó Jesus!

3.Compassivo Redentor,
Vale a um triste pecador!
Vida e gozo tu me dás,
Graça infinda, eterna paz.
Enche o débil coração,
Com os dons da salvação
E, seguro, sem temor,
Gozarei do teu favor.


Informações:
Letra: Charles Wesley, 1740
Adaptação: Sarah Poulton Kalley, 1865
Música: Joseph Parry, 1877

História
Escrito pelo fundador do Metodismo, Rev. Charles Wesley, este hino passou a ser patrimônio de toda cristandade pela sua força de mensagem e poder. Foi publicado pela primeira vez num hinário dos irmãos Wesley, intitulado "Hymns and Sacred Poems" em 1740, sob o título "Temptation". Também é conhecido como "Hino dos Marinheiros".

Não foi um hino de apreciação imediata em seu tempo, talvez pelo texto muito sentimental para uma época de racionalismo predominante. A primeira frase original Lover of my soul foi, em diversas ocasiões, substituída por Refuge of my soul (respectivamente "Amante de minha alma" por "Refúgio de minha alma").

A música é do grande Joseph Parry, compositor de vasta obra destinada à Igreja. Graduado pela "Royal Academy of Music", foi professor de diversas universidades, recebeu o título de Doutor em Música pela Universidade de Cambridge.

Sua importância na música inglesa é comparada à de Henry Purcell. Suas obras mais conhecidas são as Cantatas: "O Filho Pródigo" e "Nabucodonozor", o Oratório "Sonho de Tarso" e diversos hinos, incluindo este "Aberystwyth" para o texto de Charles Wesley.

Tecnologia do Blogger.