Ana: intercedendo com o coração de mãe



“Após terem comido e bebido em Siló, estando Eli, o sacerdote, assentado numa cadeira, junto a um pilar do templo do SENHOR, levantou-se Ana, e, com amargura de alma, orou ao SENHOR, e chorou abundantemente”.(I Samuel 1.1-20)

Orações de mães consagradas a Deus têm transformado famílias, modificado situações, realizado milagres. Grandes estadistas se tornaram em homens e mulheres de bem devido a mãe que tiveram. De Abraão Lincoln diz-se que certa vez ele falou: “Tudo o que eu sou ou espero ser, eu devo ao anjo que é minha mãe”.


Desta família de I Samuel 1 e 2, que temos meditado neste Mês do Lar, podemos aprender coisas preciosas. 

Hoje, gostaria de meditar sobre essa grande personagem que é Ana. O que nos ensina aqui a Palavra de Deus?

I – QUE ANA VIVIA NUM MUNDO DE DOR E SOFRIMENTO

a) De Profundo Desgosto
Pois “o SENHOR a [havia] deixado estéril” (v.5) e por esse motivo “A sua rival a provocava excessivamente para a irritar, porquanto o SENHOR lhe havia cerrado a madre.”(v,6). 

b) De Grande Desespero. Os vv. 9,10 dizem que “Após terem comido e bebido em Siló, estando Eli, o sacerdote, assentado numa cadeira, junto a um pilar do templo do SENHOR, levantou-se Ana, e, com amargura de alma,...” A situação, na qual Ana vivia, criou nela uma grande tristeza gerando-lhe desgosto, desespero e amargura.

II – QUE ANA FEZ UMA GRANDE E PODEROSA ORAÇÃO

a) Uma Grande Oração
“orou ao SENHOR, e chorou abundantemente”.Apesar do sofrimento, isto não a afastou de Deus, pelo contrário, a levou para mais perto dEle. 

Essa deve ser a atitude das mães frente a tantos problemas que enfrentam com referência a seus filhos, esposos e seu lar. 

b) Um Grandioso Voto
O v.11 nos diz: “E fez um voto, dizendo: SENHOR dos Exércitos, se benignamente atentares para a aflição da tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva te não esqueceres, e lhe deres um filho varão, ao SENHOR o darei por todos os dias da sua vida, e sobre a sua cabeça não passará navalha”. O que vemos aqui é que havia em Ana uma grande fé que operou nela uma vida de oração e confiança em Deus e também, uma esperança real. Ela tinha uma profunda fé em Deus.


III – QUE ANA FOI CONSOLADA PELO SENHOR
O sacerdote Eli, depois de repreendê-la pensando que estava embriagada ouviu atentamente a defesa dela entendeu que Ana, na realidade orava com muita angústia, mas também com profunda reverência a Deus, lhe disse palavras carinhosas, próprias de um homem de Deus: “Vai-te em paz, e o Deus de Israel te conceda a petição que lhe fizeste. 

E disse ela: Ache a tua serva mercê diante de ti. Assim a mulher se foi seu caminho e comeu, e o seu semblante já não era triste.” (vv. 17,18).

Depois de estar na presença do Senhor Ana sente um grande consolo gerado por um Deus tão bondoso e poderoso.
Sabemos que depois de tempo o Senhor Deus, lembrando-se dela a contemplou com a gravidez que lhe trouxe alegria no seu coração dando-lhe o filho desejado, Samuel (vv. 19,20).

IV – QUE ANA É UM GRANDE EXEMPLO PARA AS MÃES

a) Como Poderosas Mentoras.
 
Essa palavra tem sido muito usada em nossos dias para o mundo dos negócios, políticos e até religioso.Mas cremos que a maior mentora do lar é a mãe.

Ana gerou e criou um filho para Deus. As mães são aquelas que nos formam e nos moldam, como um artista esculpe uma estátua. Um dos ditados mais famosos é este: “A mão que balança o berço é a mão que rege o mundo.”

b) Como Expressão de Bondade. 
Se lermos com atenção Isaías 66.13 vemos Deus dizendo através do profeta: “Como alguém a quem sua mãe consola, assim eu vos consolarei; e em Jerusalém vós sereis consolados”.

“Deus não oferece melhor comparação para Seu infinito amor do que o amor de uma mãe...” (Bíblia Shedd) 

“O Senhor queria expressar nesta mensagem que Ele seria bondoso para com o seu povo, e para que isso ficasse bem claro e de maneira contundente ele usou o exemplo de uma mãe carinhosa”. (Ridderbos).

Há outro ditado que foi se perdendo durante os anos e que não aceitamos como verdadeiro, é claro, mas que tem a uma beleza em si: “Deus não podia estar em todos os lugares, e assim Ele fez as mães”.

------------------------------------
Antonio Coine é Pastor Emérito da Igreja Presbiteriana Monte Sião (Botucatu), atuando como ministro há 40 anos na Igreja Presbiteriana do Brasil. Formado em Teologia pela Faculdade de Teologia da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil - SP. Licenciado em Filosofia. Mestre em Divindade e Doutor em Ministério pelo Seminário do Canadá em Manitoba/CA. Foi pastor da Igreja Presbiteriana do Canadá e missionário dessa denominação entre os povos de Língua Portuguesa, quando plantou a Igreja Presbiteriana de Língua Portuguesa do Presbitério West Toronto, IPC que foi organizada em outubro de 1988. É autor do livro "Das Sagradas Escrituras - Uma coletânea de esboços de sermões para um ano litúrgico - Vol. 1".

Tecnologia do Blogger.