Deus livra o aflito


Rev. Antonio Coine

Pois livras o aflito daquele que é demais forte para ele - Salmo 35.10b

Felizes aqueles que se apegam à Palavra Viva, Santa e Eterna de Deus, o Todo-Poderoso, como um arrimo, como uma tábua de salvação, como um farol, como uma bússola quando tudo se encontra em trevas, dor e sofrimento. 

Davi está passando, por uma situação atribuladora, difícil, revoltante mesmo. No entanto, não se deixa levar pelas circunstâncias da vida que por mais difíceis e tenebrosas que fossem não eram mais fortes e nem mais poderosas do que o Deus da sua fé. 

O crente, em meio à tribulação sabe como agir. Sigamos os passos de Davi e aprendamos com ele a forma diligente de prosseguir. 


I - EM PRIMEIRO LUGAR, HÁ DA PARTE DE DAVI, UM PEDIDO SENSATO 

"Contende, SENHOR, com os que contendem comigo; peleja contra os que contra mim pelejam" (v.1). 

Não entendemos como um ato de vingança, mas uma solicitação de defesa uma vez que ele se encontrava sem forças para qualquer luta, para qualquer batalha. Muitas vezes, ao nos defrontamos com uma situação impossível de ser resolvida, de ser vencida com a capacidade humana, sentimos que nossas forças nada podem fazer. 

Quando nos defrontamos com alguém, ou algo mais forte do que nós, o que nos resta é pedir que Deus nos auxilie, nos ajude, peleje por nós. Os vingativos usam da força dos braços ou do poder da língua para amaldiçoar, retalhar, prejudicar. O crente em Jesus Cristo apela para a força de Deus que com sua Infinita Sabedoria executará os seus juízos contra tudo e contra todos. 

Confiemos no Senhor e peçamos a Ele a ajuda que precisamos naquele momento sem lançar mão do ódio, da mágoa, da amargura ou da vingança. 

II - EM SEGUNDO LUGAR, HÁ NO CORAÇÃO DE DAVI, UMA CONFISSÃO VERDADEIRA 
"Todos os meus ossos dirão: SENHOR, quem contigo se assemelha? Pois livras o aflito daquele que é demais forte para ele, o mísero e o necessitado, dos seus extorquidores" (35.10). 

Assim sendo aprendemos com este texto o seguinte: 

a) Sobre a profissão de fé do crente. "SENHOR, quem contigo se assemelha?". 
Cremos que não há maior confissão do que esta. De saber que há um Deus poderoso, altíssimo, que está acima de tudo e de todas as coisas. Quem se assemelha ao Deus Vivo? Ninguém! Os que assim confessam e creem, participam do segundo aspecto deste versículo. 

b) A libertação do crente. 
"Pois livras o aflito...". No Salmo 34.19 Davi nos fala que "Muitas são as aflições do justo, mas o SENHOR de todas o livra". 

O crente, por ser crente, não está protegido numa redoma de ferro, numa fortaleza inexpugnável. Não. Ele como todo mortal participa das dores e dos sofrimentos dos mortais. Mas há uma diferença. Ele é sempre vitorioso. Vitorioso em tudo. Inclusive, vitorioso na própria morte.

Os profetas Isaías 25.8 e Oséias 13.14 ensinaram este hino que foi aproveitado por Paulo em 1Coríntios 15.54-57 "Tragada foi a morte pela vitória. Onde está, ó morte, o teu aguilhão? O aguilhão da morte é o pecado, e a forçado pecado é a lei. Graças a Deus, que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo". 

A dimensão da nossa confissão de fé é a base de sustentação para podermos enfrentar qualquer tipo de tribulação e sofrimento. 

III - EM TERCEIRO LUGAR, HÁ NOS LÁBIOS DE DAVI, UM CÂNTICO DE JÚBILO 
"Cantem de júbilo e se alegrem os que têm prazer na minha retidão; e digam sempre: Glorificado seja o SENHOR que se compraz na prosperidade do seu servo!" (35.27,28). 

"Muito sofrimento terá de curtir o ímpio, mas o que confia no SENHOR, a misericórdia o assistirá. Alegrai-vos no SENHOR e regozijai-vos, ó justos; exultai, vós todos que sois retos de coração". (Sl 32.10,11). 

O cântico de júbilo floresce nos lábios do crente: 

1º) Porque confia no Senhor. "mas o que confia no SENHOR". 
2º) Porque tem a misericórdia assistindo-o. "a misericórdia o assistirá". A consequência dessa alegria reflete-se em: 

a) Júbilo. regozijai-vos. 
b) Exultação. exultai. 
c) Vida Reta de Coração. Vós todos que sois retos de coração. 

Davi havia dito no Salmo 34.4 "Busquei o SENHOR, ele me acolheu; livrou-me de todos os meus temores. 

Conclusão
O crente se rejubila, se alegra, mesmo em meio aos problemas e às dificuldades mais atrozes porque Deus sempre o acolhe na sua tribulação, e, também, o livra dos constantes temores que assolam a sua alma. Deixemos que o Senhor contenda por nós. Confessemos nossa fé nEle e o Exaltemos com Júbilo.

------------------------------------
Antonio Coine é Pastor Emérito da Igreja Presbiteriana Monte Sião (Botucatu), atuando como ministro há 40 anos na Igreja Presbiteriana do Brasil. Formado em Teologia pela Faculdade de Teologia da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil - SP. Licenciado em Filosofia. Mestre em Divindade e Doutor em Ministério pelo Seminário do Canadá em Manitoba/CA. Foi pastor da Igreja Presbiteriana do Canadá e missionário dessa denominação entre os povos de Língua Portuguesa, quando plantou a Igreja Presbiteriana de Língua Portuguesa do Presbitério West Toronto, IPC que foi organizada em outubro de 1988. É autor do livro "Das Sagradas Escrituras - Uma coletânea de esboços de sermões para um ano litúrgico - Vol. 1".

Tecnologia do Blogger.