Hino 155 - Castelo forte



1. Castelo forte é nosso Deus,
Espada e bom escudo!
Com seu poder defende os seus
Em todo transe agudo.
Com fúria pertinaz
Persegue Satanás
Com ânimo cruel!
Mui forte é o Deus fiel,
Igual não há na terra.

2. A força do homem nada faz,
Sozinho está perdido!
Mas nosso Deus socorro traz
Em seu Filho escolhido.
Sabeis quem é? Jesus,
O que venceu na cruz,
Senhor dos altos céus,
E sendo o próprio Deus,
Triunfa na batalha.

3. Se nos quisessem devorar
Demônios não contados,
Não nos iriam derrotar
Nem ver-nos assustados.
O príncipe do mal,
Com seu plano infernal,
Já condenado está!
Vencido cairá
Por uma só palavra.

4. De Deus o verbo ficará,
Sabemos com certeza,
E nada nos assustará
Com Cristo por defesa!
Se temos de perder
Família, bens, prazer,
Se tudo se acabar
E a morte enfim chegar,
Com ele reinaremos!


Informações
Letra: Martinho Lutero, 1483 - 1546
Tradução: Jacob Eduardo Von Hafe, 1886 - através da versão espanhola de Juan Bautista Cabrera, 1837 - 1916
Música: Martinho Lutero - no "Gesangbuch", Wittenberg, 1529

História

Músico e poeta, Martinho Lutero cuidou desde cedo da música da nova igreja que surgiu como conseqüência do movimento desencadeado pela sua postura contestadora e indagativa. Uma atenção muito especial foi dada ao canto congregacional, abolido desde o século segundo pelas "Constituições apostólicas".

Lutero partiu do princípio de que o povo precisava das Escrituras traduzidas para o alemão e também cantar em alemão, em lugar do latim. Igualmente achou que a congregação poderia cantar coisas mais fáceis que motejos e missas polifônicas complexas.

Passou a usar o estilo "coral", constituído de uma melodia acessível e harmonizada simplesmente para quatro vozes. Os textos dos hinos foram escritos ou traduzidos por muitos poetas da época, entre eles o próprio Lutero que também compôs corais, juntamente com outros compositores.

É o caso deste majestoso hino, chamado "Marselhesa da Reforma" pelo grande Heinrich Heine. Acredita-se que tenha sido escrito para a Dieta de Spira em 1529, ocasião em que os príncipes alemães formalizaram seu protesto contra a revogação de seus direitos e por isso foram chamados "protestantes".

James Moffat se refere a este hino como sendo "o maior hino do maior homem do maior período da história da Alemanha". Considerado hino universal do evangelismo, tem atravessado os séculos com a mesma força emanada da solidez das palavras do Salmo 46 que o inspirou.

Diversos compositores deram um tratamento especial à melodia ao longo dos períodos históricos, destacando- se a Cantata n° 80 "Ein feste Burg ist unser Gott" de J. S. Bach e a "Sinfonia da Reforma", de Felix Mendeissohn-Bartholdy.

Traduzido para todas as línguas vivas, o hino de Lutero chega até nós por diversos caminhos, sendo a tradução de Von Haife considerada a melhor e adotada na maioria dos nossos hinários. Teria ele tomado por base a tradução espanhola do Bispo Juan Bautista Cabrera feita diretamente do original alemão.

Tecnologia do Blogger.